sábado, 9 de fevereiro de 2013

Via Email: BRASIL! BRASIL!



BRASIL! BRASIL!


Posted: 09 Feb 2013 04:37 AM PST

Posted: 09 Feb 2013 04:31 AM PST
Luciano Martins Costa, Observatório daImprensa
 
"Interessante observar como as relações da imprensa brasileira com o Ministério Público, em suas variadas instâncias, podem retratar certas motivações da pauta jornalística.

Na década passada, quando o procurador da República Luiz Francisco de Souza encarnou no ex-secretário geral da Presidência da República Eduardo Jorge Caldas Pereira, amontoando sobre ele acusações de tráfico de influência, os jornais se dividiram entre indícios que prometiam excelentes pautas e a desconfiança de que o procurador exagerava.

Eduardo Jorge acabou apanhado no fogo cruzado de interesses políticos e, mesmo inocentado das acusações, ainda tem sua reputação chamuscada. Luiz Francisco foi posteriormente queimado após denunciar o banqueiro Daniel Dantas.
Mais informações »

Posted: 08 Feb 2013 04:06 PM PST


"No coração do Ocidente, emergiu uma entidade supranacional: a "Troika". Capaz de gerar injustiça, perda e grande dano social para países inteiros, é o único organismo ativo da chamada "governança mundial". Nesse cenário, o Brasil precisa de uma diplomacia ativa, sistemática e com objetivos claros.

Francisco Carlos Teixeira, Carta Maior

Em meio a uma ampla crise mundial, com os países buscando fechar seus mercados para garantir empregos, os organismos mundiais, em especial a OMC, falharam em democratizar as relações entre as nações, em especial com a falência da chamada Rodada de Doha. Da mesma forma, a busca de maior representatividade e maior participação das nações na ONU continua bloqueada pelo arcaico direito de veto de cinco países e pela recusa, explícita dos Estados Unidos, em aceitar uma reforma democratizante da instituição.

No entanto, no coração do Ocidente, emergiu uma entidade supranacional: a "Troika". Capaz de gerar injustiça, perda e grande dano social para países inteiros, com receitas reconhecidamente incapazes de superar a crise, é o único organismo ativo da chamada "governança mundial". No interior da "Troika", o velho FMI se recusa a qualquer esforço de (auto)reforma, democratizando e tornando mais "social" a principal agência supranacional do planeta. Nesse cenário, mais do que nunca, o Brasil precisa de uma diplomacia ativa, sistemática e com objetivos claros.

2012: a crise da Europa
2012 foi um grave ano de crise mundial – econômica social e política. O desemprego e a regressão social foram brutais em países como Espanha, Grécia, Portugal ( onde até mesmo, de forma ridícula e contraproducente – em virtude do turismo – o Carnaval foi suprimido). O velho receituário do FMI – agora ampliado na entidade supranacional denominada "Troika", com o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia – mostra-se, depois de quase três anos de "austeridade" (o que na prática se traduz por refinanciamento dos bancos e cortes sociais), um grande fiasco: desemprego massivo e inédito na história destes países; exportação de capitais via pagamento de juros e fuga de fortunas; crescimento negativo."
Artigo Completo, ::AQUI::
Posted: 08 Feb 2013 03:57 PM PST


Delfim Netto, CartaCapital

"Estamos apenas começando 2013 e não há nada determinado sobre o que vai ser o ano econômico. Cada um de nós tem as suas expectativas. Há condições de fazer um crescimento um pouco melhor do que em 2012 e isso depende fundamentalmente da capacidade de o governo convencer o setor privado a ampliar seus investimentos. É preciso que os empresários aceitem inicialmente participar dos leilões que serão oferecidos, que disputem as oportunidades de trabalhar na melhora de nossa infraestrutura e tomem as decisões de investir para resolver os problemas que temos na logística de transportes, na transmissão de energia e nas comunicações em geral.

O consumo pode crescer um pouquinho mais, certamente não muito mais do que no ano passado. Então, o desenvolvimento se dará mesmo pelo aumento dos investimentos da iniciativa privada. A contrapartida que se espera do governo é que não faça crescer as despesas de custeio e utilize os recursos, por sua vez, para aumentar o investimento público. O saldo em contas correntes este ano provavelmente será muito pequeno, de forma que não há nenhuma outra alavanca para acelerar o crescimento do que a reconquista da confiança dos empresários brasileiros e o estabelecimento de relações mais amigáveis entre eles e o governo.
Mais informações »
Posted: 08 Feb 2013 03:33 PM PST


Rafael Correa, presidente do Equador: pesquisa divulgada pelo instituto Perfiles de Opinion mostrou Correa com quase 62% das intenções de voto, ante 9% para Lasso
"Eleição acontecerá dia 17 de fevereiro e a popularidade do presidente permaneceu acima dos 50% ao longo de seu governo



O presidente do Equador, Rafael Correa, manteve uma grande liderança sobre seu adversário mais próximo para a eleição de 17 de fevereiro, mostrou uma pesquisa na quinta-feira.
Mais informações »
Posted: 08 Feb 2013 03:07 PM PST



"Em resposta, blogueiro neocon de Veja dá piti e acusa o jornal econômico dos grupos Folha e Globo de ser petista!!!


Um artigo intitulado "O fim de um tempo no jornalismo cultural" acabou direcionando o blogueiro Reinaldo Azevedo contra o jornal Valor Econômico, resultado de parceria entre os grupos Folha e Globo. No texto, o jornalista Flávio Moura comenta, a partir da morte do jornalista Daniel Piza -- falecido há pouco mais de um ano --, a situação dos cadernos e colunistas culturais do Brasil. Entre os tais colunistas está Reinaldo, que não recebeu bem a análise.

"O 'Valor Econômico' é, de longe, o veículo mais petista do Brasil. Não dá para saber se o é por convicção ou por oportunidade. Os blogs sujos não têm como competir porque a turma do jornal é, ao menos, alfabetizada. Se, um dia, o PT deixar o governo federal (com a oposição que está aí, é difícil), saberemos se é crença ou oportunismo. Talvez seja uma mistura das duas coisas", escreveu o blogueiro de Veja. Leia o texto em:


Posted: 08 Feb 2013 02:54 PM PST


Danilo Macedo, Agência Brasil
 
"O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse hoje (8) que muitos assentamentos foram criados no país sem que os agricultores familiares tivessem condições de se desenvolver. Segundo ele, a redução no número de assentados no governo da presidenta Dilma Rousseff – que cria uma tensão com os movimentos dos trabalhadores rurais – é resultado de uma reflexão sobre como tornar a reforma agrária sustentável.

"Não adianta a gente cometer a irresponsabilidade de distribuir muita terra e não permitir que o agricultor encontre na terra uma maneira de sobreviver. No Brasil, há muitos assentamentos que se transformaram quase em favelas rurais", disse Carvalho durante o programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, em parceria com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC).
Mais informações »

Posted: 08 Feb 2013 07:41 AM PST

Posted: 08 Feb 2013 07:36 AM PST



"Existe um interesse político, de quem já quis privatizar a Petrobras, de diminuir os investimentos na empresa e assim, enfraquecê-la, mas há também uma vontade de quem quer comprar ações mais baratas. Sempre vão ter aqueles que vão acreditar nesse discurso, de que a Petrobras tá indo mal, e vender seus papéis".

A análise, na contramão de tudo o que vem sendo falado com relação à estatal brasileira do petróleo, é do engenheiro Ivo Pugnaloni, investidor na empresa e consultor da Enercons para o setor de energia.
Mais informações »
Posted: 08 Feb 2013 06:50 AM PST


Otávio Frias Filho, dono da Folha


Paulo Nogueira, Diário do Centro do Mundo

"Por trás da campanha antifisco das empresas de mídia se esconde a vontade de pagar ainda menos impostos.

Estava na Folha, num editorial recente.

A carga tributária brasileira é alta. Cerca de 35% do PIB. Esta tem sido a base de incessantes campanhas de jornais e revistas sobre o assim chamado "Custo Brasil".

Tirada a hipocrisia cínica, a pregação da mídia contra o "Custo Brasil" é uma tentativa de pagar (ainda) menos impostos e achatar direitos trabalhistas.

Notemos. A maior parte das grandes empresas jornalísticas já se dedica ao chamado 'planejamento fiscal'. Isto quer dizer: encontrar brechas na legislação tributária para pagar menos do que deveriam.

A própria Folha já faz tempo adotou a tática de tratar juridicamente muitos jornalistas – em geral os de maior salário – como PJs, pessoas jurídicas. Assim, recolhe menos imposto. Uma amiga minha que foi ombudsman era PJ, e uma vez me fez a lista dos ilustre articulistas da Folha que também eram.

A Globo faz o mesmo. O ilibado Merval Pereira, um imortal tão empenhado na vida terrena na melhora dos costumes do país, talvez pudesse esclarecer sua situação na Globo – e, transparentemente, dizer quanto paga, em porcentual sobre o que recebe."
Artigo Completo, ::AQUI::
Posted: 08 Feb 2013 05:38 AM PST


Solidão. Às vezes a presidenta que pretende
erradicar a miséria parece isolada.
Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo


Mino Carta, CartaMaior

"Nos seus derradeiros momentos como senador, Fernando Henrique Cardoso andava pelos corredores do Congresso acompanhado por Norberto Bobbio. Digo, carregava um ensaio do pensador italiano, a analisar um assunto veementemente provocado pela queda do Muro de Berlim: ainda vale falar de direita e esquerda?

A direita mundo afora decretava o fim das ideologias, -enquanto a esquerda mostrava-se reticente. Bobbio entrou em cena e afirmou: nada disso, a dicotomia não se apaga, seria como pretender negar o bem e o mal, a luz e a sombra, a verdade e a mentira. E a verdade, no caso, é outra.
Mais informações »

Posted: 08 Feb 2013 05:24 AM PST


Para o escritor e jornalista, 'o que vai mudar
é o que vem agora, o que ainda não foi revelado'
"Filho de Rubens Paiva quer saber nome de responsável por ordenar assassinato do pai em 1971



Roldão Arruda, O Estado de S. Paulo

O escritor Marcelo Rubens Paiva tinha 11 anos quando, no dia 20 de janeiro de 1971, seu pai, o deputado cassado Rubens Beirodt Paiva, foi arrancado de casa por militares ligados aos serviços de repressão política e levado ao DOI-Codi do Rio. Foi a última vez que ele, a mãe e suas quatro irmãs o viram. Nos anos seguintes, Marcelo, baseando-se em livros e depoimentos sobre desaparecidos políticos, reconstituiu passo a passo a história da morte do pai. O primeiro longo relato que fez sobre o episódio foi em 1982, no livro Feliz Ano Velho. Para ele, as revelações feitas nesta semana pela Comissão Nacional da Verdade, desmontando a versão oficial de que o deputado teria fugido depois de preso, não constituem nenhuma novidade: ele nunca duvidou de que o pai foi morto no DOI-Codi. A principal conquista do trabalho da Comissão, na avaliação dele, é a apresentação de documentos oficiais, com timbre do Exército, que comprovam o que já se sabia. Para Marcelo, que é colunista do Estado, falta agora descobrir onde está o corpo do pai e punir os responsáveis.

Como você recebeu as informações da Comissão da Verdade?

A novidade real apresentada pela comissão é a seguinte: finalmente documentos internos do Exército estão vindo a público, estão surgindo papéis timbrados provando o que já se sabia. Nós já sabíamos quando e como o meu pai foi preso - a família toda estava presente e testemunhou -, como foi torturado, como morreu. Sabemos há mais de quarenta anos que ele não saiu vivo do DOI-Codi do Rio. O médico Amilcar Lobo, que trabalhou para o DOI-Codi e viu meu pai sendo torturado e morto, já descreveu essa morte no livro A Hora do Lobo. A diferença é que até agora tudo era baseado em depoimentos de pessoas."
Foto: Ernesto Rodrigues/AE
Entrevista Completa, ::AQUI::
You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610



--
Francisco Almeida / (91)81003406
Postar um comentário