domingo, 9 de dezembro de 2012

Via Email: BRASIL! BRASIL!



BRASIL! BRASIL!


Posted: 09 Dec 2012 04:54 AM PST



"Jornal de Otávio Frias obtém liminar que proíbe a Empresa Brasileira de Comunicação, subordinada à Secom, comandada pela jornalista Helena Chagas, de reproduzir seu conteúdo num clipping enviado às principais autoridades federais; é uma tentativa de fechar seu conteúdo no momento em que a crise do papel se acelera


A crise dos jornais impressos deu, neste sábado, mais um sinal de vida. Pela primeira vez em 27 anos, a "Mídia Impressa", uma coletânea dos principais artigos e reportagens publicados no País e distribuída pela Empresa Brasileira de Comunicação às autoridades do governo federal, circulou sem conteúdo da Folha de S. Paulo. O motivo: uma liminar obtida pela própria Folha para ficar de fora do clipping oficial.
Mais informações »
Posted: 08 Dec 2012 04:06 PM PST

"A sentença que condenou Carlinhos Cachoeira a 39 anos de prisão também reservou um capítulo especial ao detetive Idalberto Matias; ele foi condenado a 19 anos de prisão por realizar grampos ilegais; a revista Veja, dirigida por Policarpo Júnior em Brasília, era o principal "cliente" da dupla Dadá & Cachoeira





O relatório da CPI do caso Cachoeira ainda não foi apreciado pelo plenário da comissão, mas já se sabe que o jornalista Policarpo Júnior, diretor de Veja em Brasília, não será indiciado. Pressionado por um movimento em peso dos grandes veículos de comunicação e por aliados do PMDB, o deputado Odair Cunha (PT-MG) retirou de seu relatório as referências feitas a Policarpo Júnior e a outros jornalistas.
Mais informações »
Posted: 08 Dec 2012 03:46 PM PST

Posted: 08 Dec 2012 03:34 PM PST

"O revés parcial sofrido pelo governo em sua tentativa de quebrar a espinha dorsal do grupo midiático mais poderoso da Argentina, pode ser lido como um segundo capítulo de outro conflito ocorrido no governo de Cristina Kirchner: "a guerra contra o campo" de 2008. Em ambas oportunidades uma iniciativa governamental enfrentou forte resistência por parte de conglomerados de poder. O artigo é de Mario Antonio Santucho.


Mario Antonio Santucho, revista Crisis / Carta Maior

O revés parcial sofrido ontem (7) pelo governo em sua tentativa de quebrar a espinha dorsal do grupo multimídia mais poderoso da Argentina, pode ser lido como um segundo capítulo de outro conflito chave acontecido durante o governo de Cristina Kirchner: "a guerra contra o campo" de 2008. Em ambas oportunidades uma iniciativa governamental enfrentou forte resistência por parte de conglomerados de poder bem assentados na trama social contemporânea que representam articulações conservadoras e estabelecem injustas hierarquias.
Mais informações »
Posted: 08 Dec 2012 03:22 PM PST


Luiz Fux teria se encontrado com
figurões petistas para conquistar
a vaga de ministro do STF



Wálter Maierovitch, Carta Capital
 
"Fora o beijo traidor de Judas relatado nos evangelhos de Mateus e Marcos, entrou para a história, como sinal de reverência e de subserviência, o cerimonial do "beija-mão" introduzido no ano 527 pela imperatriz bizantina Teodora, esposa de Justiniano I. A imperatriz, favorável ao aborto e contra a pena de morte à adúltera, virou santa da Igreja Ortodoxa. No seu rastro, os papas da Igreja Católica Apostólica Romana posicionaram-se como receptores do "beija-mão" e recebem visitantes que se inclinam e lançam um ósculo no anel pontifício.


Em entrevista à Folha de S.Paulo, o ministro Luiz Fux, quando na sua terceira tentativa de obter uma cadeira vitalícia no Supremo Tribunal Federal (STF), buscou apoios variados e se submeteu ao "beija-mão". É grande o elenco dos visitados por Fux. De José Dirceu a João Paulo Cunha. Sem falar em Antonio Palocci, Paulo Skaf, presidente da Fiesp, e João Pedro Stedile, do MST. Chegou ao ponto de buscar aproximação com a namorada de Dirceu, Evanise Santos. Segundo o deputado Cândido Vacarezza, Paulo Maluf, que responde a três ações no STF por lavagem de dinheiro da corrupção, intercedeu pelo magistrado. Fux só não buscou o apoio da torcida do Flamengo, pois nessas horas contam apenas os votos dos cartolas."
Foto: Nelson Jr/SCO/STF
Artigo Completo, ::AQUI::
Posted: 08 Dec 2012 03:00 PM PST
Posted: 08 Dec 2012 02:28 PM PST
Durante eventos em Berlim, Lula falou sobre o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) e a crise europeia (Foto: Clarissa Neher/Especial para Terra)

Bob Fernandes, Terra Magazine


"Em encontro com representantes da social democracia nesta sexta-feira, 07, em Berlim, o ex-presidente Lula revelou detalhes de algumas das suas conversas reservadas com líderes mundiais no tempo em que estava na Presidência. Abaixo, relato do que foi dito por Lula:

"Vamos pegar o cara do Irã, que eu participei ativamente. O cara do Irã. Eu saí do Brasil e fui ao Irã. Contra a vontade de todo mundo… da minha companheira Angela Merkel, do companheiro Obama, do companheiro Sarkozy, do companheiro Medvedev, do companheiro… eu estava convencido que era possível convencer o Irã a assinar o documento que a Agência (Internacional de Energia Atômica) precisava… e eles me diziam assim 'Lula, você é um ingênuo, você está acreditando no Ahmadinejad e ele não está falando a verdade…'Eu falei, 'eu sou ingênuo, mas eu acredito na política'".

Mais informações »
Posted: 08 Dec 2012 07:15 AM PST

Altamiro Borges, Blog do Miro


"O PSDB se meteu numa grande enrascada. Com o seu culto ao "deus-mercado", os tucanos neoliberais decidiram sabotar o projeto de lei do governo Dilma de renovação dos contratos das empresas de energia elétrica, que reduz a conta de luz para consumidores e empresas. Os governadores Geraldo Alckmin (SP), Antônio Anastasia (MG) e Beto Richa (PR), numa típica manobra eleitoral com vistas às eleições de 2014, rejeitaram a proposta e agora correm o risco de serem rotulados de inimigos da indústria e da sociedade.

A presidenta Dilma já percebeu a mancada do PSDB. Na cerimônia de abertura do 7º Encontro Nacional da Indústria, nesta quarta-feira (5), ela detonou a postura dos tucanos. "Reduzir o preço da energia é uma decisão da qual o governo federal não recuará, apesar de lamentar profundamente a imensa insensibilidade daqueles que não percebem a importância desta medida para garantir que o nosso país cresça de forma sustentável". Para ela, esta medida equivale à redução da taxa de juros para alavancar a economia nacional.

Mais informações »
Posted: 08 Dec 2012 07:02 AM PST


"Editorial deste sábado defende que "reduzir custo da energia é importante", mas lembra que "o governo não pode impor perdas econômicas significativas aos atores envolvidos no setor"



Numa crítica à medida do governo federal que prevê a redução na tarifa de energia elétrica, o editorial da Folha de S.Paulo deste sábado começa com a seguinte frase: "Dinheiro não nasce em árvore". Apesar de defender ser "importante" a redução no custo do insumo, o jornal lembra que, ao anunciar um desconto de 20% na conta de luz dos brasileiros, o governo "precisa impor uma perda a outros atores envolvidos na cadeia energética".

O texto afirma que o discurso do estados de São Paulo (Cesp), Minas Gerais (Cemig), Paraná (Copel) e Santa Catarina (Celesc) tiveram "base em sólidos argumentos e números" para revelar o prejuízo ao aderir à proposta. A Folha conclui que é compreensível que "o Planalto viva dias de inquietação diante dos resultados frustrantes da economia na primeira metade do mandato de Dilma", mas que não se deve reduzir a energia "à custa da insolvência das empresas ou do aumento de subsídios e do endividamento dos governos".

Leia abaixo a íntegra do editorial:

Conta elétrica

Como diz a máxima popular, dinheiro não nasce em árvore. Quando o governo federal anuncia o plano de reduzir em 20% a tarifa média de eletricidade cobrada dos consumidores, precisa impor uma perda equivalente a outros atores envolvidos na cadeia energética.

Além da própria União, que assumiu uma redução de seus tributos sobre eletricidade, empresas geradoras, companhias transmissoras e governos estaduais foram convidados a pagar a conta.
Mais informações »
Posted: 08 Dec 2012 05:50 AM PST



Akemi Nitahara, Agência Brasil

"Um debate hoje (7) em Petrópolis aprofundou as discussões sobre o tombamento da chamada Casa da Morte, no Quarteirão Suíço, imóvel que foi usado como centro de tortura durante a ditadura militar.
A integrante do Coletivo RJ Memória, Verdade e Justiça, uma das entidades que organizaram o debate, Ana Miranda, disse que a ideia é transformar o local em um centro de memória onde se discuta a vida, e não a morte.

"O objetivo é discutir a importância dos lugares de memória hoje no Brasil, em especial o caso da Casa da Morte, tentar alavancar essa discussão e acelerar a implantação do centro. Também fazer com que as investigações sobre a Casa da Morte sejam feitas o mais rápido possível".
Mais informações »
You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610



--
Francisco Almeida / (91)81003406
Postar um comentário