quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Via Email: BRASIL! BRASIL!



BRASIL! BRASIL!


Posted: 30 Oct 2012 05:05 PM PDT
Dilair Aguiar, Blogue, porém limpinho


(esta é uma obra de ficção - todos sabemos que as pessoas eventualmente citadas JAMAIS agiriam dessa forma, em especial os membros do Poder Judiciário)

A assessoria jurídica de José Serra informou que entrará com recurso perante o Tribunal Superior Eleitoral para que o mais preparado candidato tucano volte a ocupar a cadeira de prefeito de São Paulo, conquistada em 2004.
"Chamado a evitar uma catástrofe no governo estadual, Serra foi literalmente obrigado a deixar a Prefeitura com apenas 15 meses no cargo. Consideramos mais do que justa a restituição do mandato, para que ele possa cumprir os 33 meses restantes, honrando os 3.330.179 votos recebidos no segundo turno daquela eleição", declarou o jurista Arnaldo Malheiros Jr.

Reação em Brasília

O ministro do TSE Gilmar Mendes, também integrante do STF, foi procurado pela imprensa enquanto inspecionava a área da Praça dos Três Poderes onde será instalado o Pelourinho "Nicolau dos Santos Neto", obra realizada sem licitação por seu caráter de urgência.

Após destacar que "um ministro do Supremo só se pronuncia nos autos", Mendes entrou em seu carro e declarou: "considero o pleito muito pertinente no atual momento histórico. Aliás, acredito que deveria ser feita uma devassa nas eleições paulistanas de 2004, pois a adversária de Serra, a Marta, era casada com argentino. Isso não é nem indício tênue, é confissão de culpa".

Na opinião do magistrado, "além da irrefutável argumentação de Malheiros, dispomos de um documento público, firmado em cartório, garantindo a permanência de Serra na Prefeitura até 31 de dezembro de 2008 – o que foi reconhecido pela própria candidatura Haddad".

Mendes acrescentou que "já me nomeei relator, revisor e pedi prioridade aos colegas do STE, pois a questão precisa estar julgada até 1º de janeiro, no máximo". A data coincide com o cronograma apresentado pela assessoria jurídica de Serra, dividindo os 33 meses em duas parcelas, a serem exercidas após as eleições de 2014 e 2018, em caso de "relevante necessidade".


Posted: 30 Oct 2012 04:53 PM PDT
Renato Rovai, Revista Fórum / Blog do Rovai 



"Há muitas flancos possíveis para se analisar o resultado das eleições municipais recém-encerradas. Os analistas da mídia tradicional como não podem dizer que a oposição foi a grande derrotada  enaltecem o crescimento (real, diga-se) do PSB. É mais ou menos como aquele torcedor que comemora a vitória de um terceiro time sobre o seu principal rival. Porque no pau a pau perde todas.

O fato é que a oposição diminuiu ainda mais de tamanho em 2012. E isso aconteceu mesmo em meio ao julgamento do mensalão e de toda a cobertura midiática tentando vincular aquele acontecimento ao momento eleitoral.

Outro fato é que o PT cresceu muito em São Paulo e passa a governar quase metade da população do Estado. Manteve o domínio da região metropolitana e ainda levou São Paulo e boa parte do Vale do Paraíba, incluindo a cidade de São José dos Campos.

O PSB também sai maior deste processo eleitoral. Conquistou Recife e Fortaleza, além de várias cidades importantes do Nordeste. E ainda reelegeu seu prefeito de BH e ganhou Campinas. Em BH e Campinas, porém, os eleitos são muito mais tucanos que socialistas.

O PSOL elege seu primeiro prefeito de capital, no Macapá, e entra no jogo real da governabilidade. Isso vai levar a muitas reflexões internas no partido e provavelmente vai fazer com que alguns grupos deixem a legenda. Ou vai levar o prefeito eleito a deixar o partido. A tese da governança e as teses de alguns setores do PSOL são incompátiveis."
Artigo Completo, ::AQUI::


Posted: 30 Oct 2012 04:24 PM PDT


O candidato José Serra,
após a derrota nas urnas
Matheus Pichonelli, CartaCapital


"O filme já foi visto antes. Ao fim da campanha, após um resultado adverso nas urnas, toma forma no PSDB o discurso pela renovação de seus quadros. Foi o que aconteceu em 2006, quando o tucano Geraldo Alckmin, hoje governador de São Paulo, foi derrotado pelo petista Luiz Inácio Lula da Silva na eleição presidencial. Desde então, afirma Celso Roma, cientista político pela USP e especialista em partidos políticos e eleições, o processo de renovação foi colocado na geladeira para ser repetido, seis anos depois, após o revés sofrido agora por José Serra na corrida pela prefeitura de São Paulo. "As palavras não se transformaram em ações", diz Roma

Para ele, a legenda está tendo dificuldade em projetar novas lideranças e não se mostra capaz de ouvir ou criar pontes com a juventude do PSDB. Roma afirma que o partido deveria seguir o exemplo dos rivais petistas, que passou por um processo de renovação induzido por circunstâncias adversas, como o escândalo do "mensalão", hoje julgado pelo Supremo Tribunal Federal. "Isso forçou o partido a apresentar candidatos novos ou desvinculados do escândalo de corrupção. Onde o PT insistiu em velhas lideranças, perdeu".

O especialista cita, entre os motivos da derrota de Serra em São Paulo, o desgaste da atual gestão, a omissão da campanha na periferia, onde Fernando Haddad recebeu mais votos, e a incapacidade de se livrar do rótulo anti-pobre colado nele pelos adversários. Ele critica a estratégia tucana de levar a homofobia para o centro do debate mas minimiza os efeitos da aproximação com lideranças polêmicas como o pastor Silas Malafaia. "Tanto Haddad quanto Serra receberam apoio de personalidades polêmicas ou implicadas em escândalos de corrupção."

Roma faz projeções sobre o futuro de Serra e da oposição e se mostra descrente sobre uma possível guinada do hoje aliado PSB de Eduardo Campos, governador de Pernambuco.

CartaCapital: O que explica o resultado da eleição em São Paulo?
Celso Roma: O candidato derrotado do PSDB, José Serra, concorreu sob condições adversas. Além de ser rejeitado por mais de um terço dos eleitores, Serra defendeu a continuidade de uma administração reprovada por mais de dois terços dos paulistanos. Em contraste, o candidato vitorioso do PT, Fernando Haddad, apresentou com antecedência um programa de governo, propondo mudança de gestão e novos projetos para a cidade.


CC: Quem perdeu mais na disputa, o PSDB ou José Serra?
CR: Ambos saíram derrotados da eleição em São Paulo. O candidato amargou outra derrota nas urnas. O partido perdeu a cidade que lhe conferia poder, prestígio e visibilidade.

CC: Quais foram os erros da campanha tucana?
CR: Na disputa do segundo turno da eleição, Serra concentrou seus compromissos no centro expandido da cidade, onde ele havia sido vitorioso. Além de ter feito menos eventos que o seu adversário, o candidato do PSDB visitou poucos bairros da periferia. Haddad fez carreatas e promoveu encontros inclusive nos redutos do PSDB, onde conseguiu diminuir a desvantagem em relação ao adversário no 1º turno.


CC: Isso ajudou a campanha do PT a apresentar Serra, durante a campanha, como um candidato anti-pobre? Essa imagem pegou?

CR: Nos debates da televisão, José Serra não conseguiu responder de uma forma satisfatória às questões levantadas por Fernando Haddad sobre pobreza e inclusão social. No programa do Serra, faltou destacar uma seção com projetos exclusivos para a população carente. Durante a campanha, faltou contato com os representantes de bairros da periferia. O contato com os moradores poderia reverter a imagem de Serra como candidato dos ricos, transmitida e reforçada pelo PT."
Foto: Gabriel Bonis
Entrevista Completa, :AQUI::


Posted: 30 Oct 2012 04:13 PM PDT



Posted: 30 Oct 2012 04:11 PM PDT
"O fechamento do Jornal da Tarde, do grupo Estado de S. Paulo, nesta semana traz novamente à tona o debate sobre o fim do jornal impresso. Mas a oposição meio virtual X papel não explica tudo. É possível que estejamos assistindo algo mais profundo: o fim de uma maneira de se organizar a informação.


Gilberto Maringoni, Carta Maior

O fechamento do Jornal da Tarde, lançado em São Paulo em 1966, mostra que a crise da imprensa impressa chegou ao Brasil em grande estilo. Dos diários importantes, já sucumbiram a Gazeta Esportiva (1947-2001), a Gazeta Mercantil (1920-2009) e o Jornal do Brasil (1891-2010). A primeira e a última seguem na internet, com menor apelo de público. Os infaustos acontecimentos, como dizia a mídia de outros tempos, não foram motivados apenas por uma ainda incerta supremacia das plataformas virtuais em relação às de celulose, mas também por desarranjos administrativos variados.

O advento da internet suscita, há quase uma década, um debate sobre o fim do jornal impresso. Livros, reportagens e artigos têm sido produzidos, tentando dar conta da possível obsolescência do meio papel.

Abalo no mercado
As redes virtuais provocaram um abalo no mercado de comunicação muito maior que a chegada das principais novidades tecnológicas anteriores, como a máquina rotativa (1890), o rádio (1920) e a televisão (1950). Não nos esqueçamos que com a chegada do rádio, profetizava-se o fim do jornal e com a chegada da televisão, três décadas depois, falava-se na decadência do jornal, do rádio e do cinema. Nenhum deles desapareceu, mas tiveram de se readequar às novas realidades.

No caso da difusão das redes virtuais, fala-se novamente no fim das velhas mídias. Isso se dá não apenas porque a internet interfere em todas as formas anteriores de comunicação – ela é jornal, é rádio e é televisão, entre outros – mas especialmente por evidenciar a lentidão dos antigos meios e por expor suas limitações em relação à possibilidade de se segmentar e escolher a informação a ser recebida e acessá-la a qualquer momento em locais variados."
Artigo Completo, ::AQUI::


Posted: 30 Oct 2012 03:05 PM PDT
"Ex-vereadora e ex-candidata à Prefeitura de São Paulo fez o desafio ao prefeito eleito Fernando Haddad (PT): "Anota aí: se 10% das obras do 'Arco do Futuro' tiverem começado daqui a 4 anos, eu faço uma tatuagem do Lula c o boné do Corinthians"; como a internet não perdoa, já começou a circular imagem da palmeirense Soninha com uma sugestão de tattoo



A ex-vereadora por São Paulo e ex-candidata à Prefeitura da capital paulista Soninha Francine (PPS) ainda não digeriu a eleição de Fernando Haddad (PT), consumada no último domingo. Nesta terça-feira, Soninha, que já havia demonstrado, via Twitter, seu incômodo perante Haddad, voltou ao microblog para desafiar o petista: "Anota aí: se 10% das obras do 'Arco do Futuro' tiverem começado daqui a 4 anos, eu faço uma tatuagem do Lula c o boné do Corinthians".

O Arco do Futuro em questão reúne as principais promessas de campanha do petista até 2016, fim de seu mandato, e inclui a melhoria do trânsito da capital por meio da oferta de empregos nas áreas mais periféricas da cidade. Pois bem, a gestão de Haddad nem começou, mas a imagem da tatuagem do corintiano Lula na palmeirense Soninha já circula pela internet, graças ao internauta João Márcio Dias, que disse ter vindo do futuro com a foto.

Soninha, que passou a tarde respondendo a perguntas por meio de seu perfil no Twitter, já até comentou a imagem. Questionada por um internauta se já tinha visto "sua foto com tattoo do lula usando boné do corinthians rolando na internet", a ex-vereadora respondeu: "Ainda não e eu não vou esquecer disso - espero q eles nao esqueçam também".

A resposta de Soninha segue com: "Imprensa dá bola pra td qto é anuncio do governo ("Vamos investir 4 bi no combate ao crack! Vamos criar 300 consultórios de rua!"). Depois nao acontece NADA e fica por isso. Entao taí: 10% de obras COMEÇADAS do Arco do Futuro e eu faço a tatuagem. E DUVIDO algum governista apostar q faz uma minha se nao tiver nem 10%). E nao venham me dizer 4 anos depois, como o Lula fez com o Minha Casa, "já tem nao-sei-qtos contratos assinados". Pfff."


Posted: 30 Oct 2012 08:28 AM PDT
Eduardo Guimarães, Blog da Cidadania


"Por entender que a aliança entre o PSDB e a grande mídia é danosa ao país, talvez não devesse escrever este texto. Afinal, aqui será explicado por que essa aliança vem colhendo fracassos eleitorais cada vez mais retumbantes e essa explicação poderia salvar esse grupo político do haraquiri continuado que pratica cotidianamente.

Todavia, conto com a proverbial arrogância dessa gente para impedi-la de sequer refletir sobre o que direi. Afinal, foi só dizer que José Serra não deveria usar o "kit-gay" que ele mergulhou de cabeça em uma das "estratégias" políticas mais desastradas de que se tem notícia, a qual só perde para a bolinha de papel de 2010.

Vamos ao trabalho, pois. Ao fim da tarde de domingo, certo sadismo me fez sintonizar a televisão na Globo News e/ou na Band, de forma a assistir as coberturas que as emissoras faziam da reta final da eleição em São Paulo. Dirão, assim, que não sou sádico, mas masoquista.

Enganam-se. Cometi esse ato para ver as caras dos pistoleiros do PIG diante do fato de que Fernando Haddad dera uma sova eleitoral em José Serra. E não me decepcionei. Estavam mais do que abatidos, estavam desorientados. Sobretudo na Globo News. Literalmente não sabiam o que dizer, por mais que tentassem afetar naturalidade.

A cena de desorientação e abatimento daqueles jornalistas era tão ridícula que comecei a pôr mensagens no Facebook e no Twitter convocando pessoas a assistirem àquele espetáculo patético. Não tardou e as redes se incendiaram e posts sobre a Globo News começaram a aparecer na blogosfera.

Sobretudo porque a emissora levou para a bancada que pretendia analisar os resultados das eleições o indefectível Merval Pereira, Renata Lo Prete (Folha de São Paulo), Cristiana Lobo e Gerson Camarotti (Globo News).

Lobo era a mais desorientada, ainda que não fosse a única. Chegou a dizer que Lula conseguiu eleger Haddad "por sorte". Mas o ponto alto foi quando todos eles concordaram que o mensalão tinha, sim, afetado a imagem do PT. Eis que um deles – não me lembro qual –, em um lampejo de lucidez, lembra que "não afetou eleitoralmente, mas afetou".
Artigo Completo, ::AQUI::


Posted: 30 Oct 2012 06:58 AM PDT
                              Bob Fernandes, Terra Magazine


Posted: 30 Oct 2012 06:15 AM PDT
Venício A. de Lima, Observatório da Imprensa


"A cobertura homogênea que a grande mídia vem fazendo do julgamento da Ação Penal nº 470 – paralelo ao período de campanha eleitoral – e os resultados das eleições municipais de 2012 recolocam a questão da formação da opinião pública, da percepção que ela tem sobre a corrupção e das consequências políticas dessa percepção, em particular na decisão do voto.

Em artigo anterior, neste Observatório, ("Poder da mídia, contradições e (in)certezas") – reproduzi resultado e comentário do Ibope sobre pesquisa comparada que registrou as "preocupações dominantes" dos brasileiros nos anos de 1989 e 2010. Diz o comentário:

"Apesar das constantes notícias sobre o assunto, o combate à corrupção também preocupa menos o brasileiro: de 20% passou a ser citada por 15% dos entrevistados."
Perguntava, então: qual a relação da queda da preocupação do brasileiro com a corrupção e as "constantes notícias" – uma verdadeira campanha de moralidade seletiva e criminalização da política – veiculadas na grande mídia desde 2005?


Ao contrário do que o artigo possa ter sugerido, não há resposta simples para essa questão.

Pesquisas sobre corrupção


O livro Corrupção e Sistema Político no Brasil,organizado pelos professores Leonardo Avritzer e Fernando Filgueiras, do Centro de Referência do Interesse Público (CRIP) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), lançado recentemente pela editora Civilização Brasileira, é uma coletânea de análises de resultados de pesquisas nacionais – realizadas em 2006, 2008 e 2009 – que investigam o tema da corrupção em variadas dimensões.
Artigo Completo, ::AQUI::


Posted: 30 Oct 2012 05:49 AM PDT
"De acordo com o jornal da família Marinho, PT foi derrotado porque a aliança DEM-PSDB venceu em Salvador, Aracaju, Maceió e Teresina, no Nordeste, além de Belém e Manaus, no Norte



Não importa que o PT tenha sido o partido mais votado das eleições municipais (17,2 milhões de votos) nem que vá administrar a maior fatia do bolo orçamentário (R$ 77,7 bilhões).

Em seu balanço eleitoral, publicado na edição desta terça-feira, o jornal O Globo aponta a derrota do PT e a ascensão de seus aliados, DEM e PSDB, no Norte e no Nordeste, com as vitórias em Salvador, Maceió, Aracaju, Teresina, Belém e Manaus."


Posted: 30 Oct 2012 05:29 AM PDT



Posted: 30 Oct 2012 05:24 AM PDT
Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho


"Perderam para Lula em 2002.

Perderam para Lula em 2006.

Perderam para Lula e Dilma em 2010.

Perderam para Lula e Haddad em 2012.

A aliança contra Lula e o PT montada pelos barões da mídia reunidos no Instituto Millenium sofreu no domingo mais uma severa derrota.

Eles simplesmente não aceitam até hoje que tenham perdido o poder em 2002, quando assumiu um presidente da República fora do seu controle, que não os consultava mais sobre a nomeação do ministro da Fazenda, nem os convidava para saraus no Alvorada.

Pouco importa que nestes dez anos tenha melhorado a vida da grande maioria dos brasileiros de todos os níveis sociais, inclusive a dos empresários da mídia, resgatando milhões de brasileiros da pobreza e da miséria, e dando início a um processo de distribuição de renda que mudou a cara do País.

Lula e o PT continuam representando para eles o inimigo a ser abatido. Pensaram que o grande momento tinha chegado este ano quando o julgamento do mensalão foi marcado, como eles queriam, para coincidir com o processo eleitoral.


Uma enxurada de capas de jornais e revistas com quilômetros de textos criminalizando o PT e latifúndios de espaço sobre o julgamento nos principais telejornais nos últimos três meses, todas as armas foram colocadas à disposição da oposição para o cerco final ao ex-presidente, mas a bala de prata deu chabu."
Aetigo Completo, ::AQUI::


You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610



--
Francisco Almeida / (91)81003406
Postar um comentário