segunda-feira, 30 de abril de 2012

Via Email: BRASIL! BRASIL!



Em 30 de abril de 2012 09:21, Brasil! Brasil! <anfenoju@gmail.com> escreveu:


BRASIL! BRASIL!


Posted: 29 Apr 2012 07:00 PM PDT




Posted: 29 Apr 2012 06:56 PM PDT


Luciano Martins Costa, Observatório da Imprensa

"De onde vem a ameaça dos novos meios digitais de comunicação contra as chamadas mídias tradicionais? Provavelmente vem de um aspecto da revolução tecnológica a que pouca gente ainda prestou atenção, e que assombra não apenas os chamados gatekeepers da informação, mas todos os setores que de alguma forma tentam manter sob vigilância os portões de acesso à plena cidadania para todos: o risco para essas instituições é a transformação do consumidor em cidadão.

As tentativas de controle do espaço cibernético tem se manifestado de diversas maneiras. As mais recentes de que tivemos notícia respondiam pelas siglas SOPA, que em inglês significa ato para interromper a pirataria online, e PIPA, que quer dizer ato de prevenção contra ameaças reais à criatividade econômica e roubo de propriedade intelectual.

As duas medidas, que foram bloqueadas pelo governo dos Estados Unidos, aparentemente positivas, na verdade carregavam em seus bojos instrumentos de interferência do Estado sobre as atividades dos cidadãos na internet.


A ampla reação da sociedade, que ameaçou com atos de desobediência civil em larga escala, e a atitude do presidente Barack Obama, que rejeitou formalmente medidas oficiais contra a liberdade de expressão na rede mundial de computação, conteve o ímpeto do autoritarismo."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 06:10 PM PDT


Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

"Conversei com a presidente Dilma e o ex-presidente Lula antes e depois da grande festa de lançamento do documentário Pela Primeira Vez, de Ricardo Sutckert (sobre o qual já escrevi neste blog), que narra a despedida do primeiro presidente operário e a posse da primeira mulher presidente, na noite de quarta-feira, no Museu Nacional, em Brasília.

Os dois vieram juntos no mesmo carro, com mais de uma hora de atraso, mas não pareciam preocupados em chegar logo à sala superlotada onde foi exibido o filme, o primeiro produzido no Brasil em 3D. Pararam várias vezes no caminho para conversar e tirar fotos.

Depois de um longo almoço no Palácio da Alvorada, que foi até o final da tarde, do qual participaram os ministros Aloizio Mercadante e Gilberto Carvalho, amigos de ambos, Dilma e Lula chegaram sorridentes e tranquilos ao lançamento do filme de Stuckinha, como é chamado, enquanto o Congresso Nacional fervia com o início da CPI do Cachoeira e a votação do Código Florestal.

São dois mundos diferentes e eles sabem que seus papéis hoje são diferentes: o político, que agita os parlamentares e líderes partidários, caso de Lula, e o econômico, que ocupa a maior parte do tempo de Dilma, mais voltada para a administração do País.

Acima de tudo, porém, à parte os acidentes de percurso do dia a dia da política, o que os une é um projeto político comum e uma profunda admiração mútua, uma identidade de alma que se manifesta na continuidade do governo do PT, que está completando dez anos de Palácio do Planalto.


Emocionado com as cenas do filme que mostram o dia da vitória dos dois, Lula se empolga e fala para Dilma que se o partido não fizer nenhuma grande besteira, o PT vai governar até 2020, quando o Brasil será um país completamente diferente. Animados, eles fazem planos para o futuro."
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Artigo Completo. ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 05:52 PM PDT


Sonia Racy, Estadão.com.br / Direto da Fonte

"Os trabalhos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a rede de influência comandada pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, nas esferas pública e privada do País, devem ser concluídos até agosto. A informação é de Marco Maia, presidente da Câmara, em conversa durante o Fórum de Comandatuba, na Bahia, organizado por João Doria. "Quatro meses de CPI são suficientes, se o processo for bem conduzido", avalia Maia. De acordo com ele, a pauta dos trabalhos deve ser apresentada pelo relator Odair Cunha na próxima quarta-feira.
Mas apesar da previsão otimista relativa ao término das investigações, Maia se revela preocupado com o andamento da CPMI. "Será explosiva", acredita.

"Uma coisa são essas pessoas (os acusados) dando depoimento à Polícia Federal, que é uma coisa fechada, outra é uma investigação a portas abertas, como no Congresso. Vai haver contradições, perguntas de todos os lados e detalhes que não estão nas investigações serão revelados."
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 05:38 PM PDT
"Grupo tentava abastecer a revista com informações de seu interesse


Do R7

Em uma das gravações feitas pela Polícia Federal, à qual o R7 teve acesso, Cláudio Abreu , ex-diretor da Delta Construções, diz que deu orientações a um dos redatores-chefes da revista Veja, Policarpo Júnior, para produção de uma reportagem sobre Agnelo Queiroz (PT-DF). Dias antes, foi publicada uma denúncia sobre a atuação do governador na operação Caixa de Pandora, que derrubou o antecessor e rival José Arruda (ex-DEM).

Aparentemente, o grupo de Cachoeira tentava abastecer a revista com informações que interessavam a seus negócios. Entre o dia 29 e 30 de janeiro, membros do grupo discutem a repercussão da matéria e usam a história para pressionar o governo para o cumprimento de uma promessa não identificada pelo inquérito da PF. A íntegra do documento sobre o caso foi divulgado nesta sexta sexta-feira (27) pelo site Brasil 247 e traz parte das gravações feitas pela polícia na operação Monte Carlo, que começou em 2008 e investigou a quadrilha que explorava jogos ilegalmente chefiada por Cachoeira.

Uma das armas do grupo é o senador Demóstenes Torres (DEM), que deu declarações – e poderia dizer mais – à imprensa a respeito do caso.

Em conversa telefônica do dia 30 de janeiro, Dadá – Idalberto Matias de Araujo, o braço direito de Cachoeira – diz a um interlocutor identificado como Andrezinho que sabia da reportagem na Veja antes da publicação e que tinha pedido para o chefe "provocar para que o senador [Demóstenes Torres] fosse ouvido na matéria".

No mesmo dia, Cachoeira pergunta a Dadá:

- Será que ele [Agnelo] cai?

Nesta degravação, a Polícia Federal especifica que eles comentam sobre a reportagem da Veja que trata do caso do governador do DF.

A estratégia dos dois era continuar "batendo" do governador até que ele resolvesse certo problema. Outra possibilidade que Dadá levanta é arquitetar a queda de Agnelo em três ou quatro meses para que o vice-governador, Tadeu FIlipelli, assumisse.

- Aí ele resolve nossa vida, né possível! (sic)

Em outra gravação, do mesmo dia, Cláudio Abreu comemora possivelmente as denúncias contra Agnelo. O ex-diretor da Delta comenta:

- Arrebentou hein, o bicho arrebentou, hein."
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 09:18 AM PDT


Eduardo Guimarães, Blog da Cidadania

"Mervalices" são batatadas que o jornalista da Globo Merval Pereira espalha toda vez que comete um comentário político. Há cerca de duas semanas, por exemplo, o mordomo tucano (vide foto acima) afirmou que o governador de Brasília, Agnelo Queiróz, tinha mais evidências de relações suspeitas com Carlinhos Cachoeira do que o governador de Goiás, Marconi Perillo.

Batatada é pouco para definir aquele comentário. Já havia, então, dezenas de informações sobre negociatas e apadrinhamentos envolvendo o governador e o bandido goianos, enquanto que, contra o governador de Brasília, só existiam comentários de membros da quadrilha sobre relações dela com um ex-assessor direto de Agnelo.

Gravações feitas pela Polícia Federal mostraram os criminosos aludindo a uma suposta ligação do então chefe de gabinete de Agnelo, Claudio Monteiro, com o grupo de Cachoeira. Integrantes da quadrilha discutiram pagamento de mesada a ele para obterem benefícios em contratos no setor de limpeza pública.

A conversa foi gravada em janeiro do ano passado. O diretor da Construtora Delta na região Centro-Oeste, Claudio Abreu – que foi preso na semana passada -, ligara para Idalberto Matias de Araújo, o Dadá. Conversaram sobre nomeação de um aliado da quadrilha na direção do Serviço de Limpeza Urbana de Brasília (SLU).
Os criminosos citaram dois nomes: Marcelão, que seria o ex-assessor da casa militar do GDF, Marcello Lopes, e Claudio Monteiro, chefe de gabinete de Agnelo Queiroz. Abaixo, o diálogo.

—–
Dadá: "O Marcelão tá aqui comigo, entendeu. Eu tava falando para o Carlinhos, o seguinte. Ele veio da reunião com o Claudio Monteiro entendeu, então ele tava falando o seguinte, que é ideal você dar um presente pro cara. A nomeação só vai sair na terça-feira no Diário Oficial."

Claudio Abreu: "Dada, resume. O que é que é pra dar pra ele, Dadá?"

Dadá: "Dá o dinheiro para o cara, meu irmão."

Claudio Abreu: "Faz o seguinte. Vamos dar R$ 20 mil pra ele e R$ 5 mil por mês, pronto! Nós vamos dar R$ 20 mil pra ele agora e R$ 5 mil por mês, entendeu?"

Dadá: "Vou falar com o Marcelão aqui."
—–
Segundo a investigação, Claudio Monteiro foi o responsável pela indicação do nome de João Monteiro na direção do SLU. A PF não comprovou se o chefe de gabinete do GDF recebeu o dinheiro. A apuração da polícia indica que a quadrilha esperava que João Monteiro facilitasse negócios da Delta na coleta de lixo do DF, mas o único contrato fora firmado na gestão anterior à de Agnelo.


Foi a isso que Merval se referiu como sendo mais grave do que o envolvimento de Marconi Perillo com Carlinhos Cachoeira e sua quadrilha. Todavia, de lá para cá, explodiram indícios gravíssimos contra o governador de Goiás que têm sido amplamente difundidos na grande mídia e na blogosfera. Mas o que a este blog parece mais grave ganhou pouca repercussão."
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 09:05 AM PDT


"Novos diálogos do inquérito Monte Carlo revelam ação coordenada do senador goiano para pressionar o governo do Distrito Federal a agir em defesa dos interesses da empreiteira Delta; caso contrário, haveria mais denúncias na Veja para provocar um impeachment; PJ é Policarpo Júnior

Brasil 247

Graças ao trabalho do jornalista Luiz Carlos Azenha, do blog Viomundo, novas peças do quebra-cabeças da Operação Monte Carlo começam a se encaixar.

A partir de diálogos do inquérito vazado pelo 247, Azenha garimpou informações relevantes para a compreensão da crise política no Distrito Federal.

Em 28 de janeiro deste ano, Veja publicou uma reportagem chamada "O PT na Caixa de Pandora", apontando que o governador Agnelo Queiroz teria agido para derrubar o antecessor José Roberto Arruda.
Um dos personagens citados na reportagem era o senador Demóstenes Torres, que aparentemente pautava a sucursal brasiliense da revista Veja. Ouvido pela revista, o parlamentar goiano declarou que Agnelo teria agido de forma criminosa.

Os diálogos da Operação Monte Carlo, no entanto, revelam que Demóstenes não se pautava pela ética, mas sim pelos interesses comerciais da Construtora Delta.

Num dos grampos, de 30 de janeiro deste ano, Dadá comenta com um interlocutor identificado como Andrezinho que Demóstenes só sentaria com Agnelo para poupá-lo de novas denúncias na revista Veja se seus interesses (da Delta) fossem atendidos."
Matétia Completa, ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 08:57 AM PDT


Cauã Taborda, INFO Online

"A Microsoft cancelou seu apoio ao "Cyber Intelligence Sharing and Protection Act" (CISPA), um projeto do governo norte-americano que dá acesso à Agência Nacional de Segurança a dados mantidos pelas empresas de telecomunicações e internet.

O projeto foi aprovado em votação na câmara norte-americana na última quinta-feira (27), por 248 votos à favor contra 168. A votação favorável contraria alertas de veto presidencial feitos por parte dos representantes contrários ao projeto.

Em resposta à CNET, a Microsoft informou que qualquer lei deve permitir "que honremos as promessas de segurança e privacidade que fazemos a nossos consumidores". A MS adiciona que quer "assegurar que a legislação final ajude a enfrentar a ameaça do cibercrime enquanto protege a privacidade dos consumidores".
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 29 Apr 2012 08:12 AM PDT


Facebook se desculpou com a mãe após erro ao considerar imagem "imprópria"

Redação, PortalIMPRENSA

O Facebook classificou como imprópria as fotos de um menino com síndrome de Down publicadas no perfil de sua mãe, Diana Cornwell, na Carolina do Norte (EUA). A conta de Diana na rede social chegou a ficar bloqueada por três dias por conta das imagens, informou o G1.

A mãe do menino concedeu uma entrevista ao site MSNBC em que afirmou que as imagens mostram seu filho participando de "olimpíadas especiais". Diana também ressaltou que, se ele fosse mais velho, a classificação feita pela rede social poderia trazer problemas graves.

"Eu acho que o Facebook precisa rever sua política de marcação de fotos. Se você marca uma foto, é preciso enviar para a rede social o motivo pelo o qual a marcou e, ainda, o Facebook precisa avaliar o motivo desta marcação antes de decidir bloquear a imagem", declarou Diana.

O Facebook enviou um pedido de desculpas pelo erro cometido. "A foto foi retirada do site por um equívoco. Pedimos desculpas por qualquer inconveniente que isto pode ter causado e esperamos que ela continue a publicar as experiências de seu filho nas olimpíadas especiais no Facebook", afirmou o site."


Posted: 29 Apr 2012 06:53 AM PDT




Posted: 29 Apr 2012 06:44 AM PDT


Roberto Maltchik, Paulo Celso Pereira e André de Souza, O Globo / Extra

Em meados do ano passado, contrariado com a perda de contratos da Delta no entorno do Distrito Federal, Carlinhos Cachoeira ameaçou romper a aliança que dizia ter com o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Avisado por um interlocutor de ambos, Marconi teria tentado marcar uma audiência privada com o contraventor para resolver o impasse. Os diálogos, gravados pela Polícia Federal durante a Operação Monte Carlo, ocorreram em julho. Após afirmar, em discurso na companhia de saneamento de Goiás (Saneago), que iria acabar com o monopólio da Delta, Marconi provoca a ira de Cachoeira e Demóstenes Torres, que o chamam de "maluco" e "vigarista" e asseguram que jogarão duro com ele. Dias depois, Marconi teria mandado dizer a Cachoeira que houve um mal entendido.

O bicheiro demonstra indignação em 14 de julho, após saber do discurso de Marconi pelo vereador de Goiânia Santana Gomes (PMDB). A indignação é compartilhada com o ex-diretor da Delta Cláudio Abreu, o ex-presidente da Câmara de Goiânia e braço direito de Cachoeira, Wladimir Garcez, e Demóstenes, que orienta sobre o tratamento que deve ser ado ao governador.

— Professor, você não fraqueja aí não, pô. Os caras têm que mandar um recado duro pra ele. Manda o Edvaldo (Edvaldo Cardoso, ex-presidente do Detran) entregar o cargo, que ele (Marconi) vai ficar doido nesse trem. Esse cara não tem jeito, não. Ele cada hora fala um trem, pô. Joga leve não. Joga pesado, não deixa barato esse trem não. Ele é desqualificado demais. Essa foi de pé no saco — explica Demóstenes, que se diz estupefato com as declarações de Marconi contra a Delta: — Tem que ter respeito né rapaz... esse cara... É maluco, né? Só pode... porque bêbado naquela hora da manhã não tava.

— A gente tem que explodir esse vigarista — responde o bicheiro.

Após a conversa, Cachoeira segue os passos de Demóstenes. Após duas audiências agendadas e desmarcadas, Marconi teria recebido Edvaldo no gabinete. Na saída, Edvaldo liga para Cachoeira:

— Me recebeu lá na salinha lá... Falou que houve um mal entendido aí, que não foi dessa forma (o discurso), e que quer falar é com você. (...) Ele quer falar com você quinta-feira. Ele quer só você e ele, na minha casa."
Matéria Completa, ::Aqui::


You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610



--
Francisco Almeida / (91)81003406
Postar um comentário