terça-feira, 18 de junho de 2013

Via Email: BRASIL! BRASIL!: Protesto expulsa equipe da "Central Globo de Mentiras"



BRASIL! BRASIL!


Posted: 17 Jun 2013 05:25 PM PDT


Tratar a todos com respeito e buscar o
diálogo trarão mais benefícios do que
o enfrentamento irracional
"As manifestações contra a tarifa dos ônibus são apenas um passo no longo processo de construção da democracia e da cidadania


Reinaldo Canto, CartaCapital

"Os recentes protestos não deveriam ser razão de tanto espanto, a ponto de causar reações indignadas vindas de setores mais conservadores ou mesmo acomodados da sociedade brasileira (tão pouco acostumadas a manifestações cidadãs de revolta e rebeldia).

Nesse sentido estivemos durante muitos anos - aliás, desde o estabelecimento da ditadura - desacostumados a grandes demonstrações civis de descontentamento generalizado.
Mais informações »

Posted: 17 Jun 2013 04:08 PM PDT
Luiz Carlos Azenha, Vi o Mundo


"O blogueiro Altamiro Borges costuma falar sobre a capilaridade dos grandes conglomerados de mídia do Brasil apontando para as agências de distribuição de fotos e notícias, que espalham o conteúdo gerado no Rio de Janeiro ou em São Paulo mesmo para os pequenos jornais ou emissoras de rádio do interior de Goiás ou da Amazônia.

Quando a Secom, a Secretaria de Comunicação ligada à Presidência da República, diz que mudou a distribuição de verbas publicitárias para fomentar e apoiar órgãos locais e afirma que isso contribuiu para a democratização de conteúdos, está falando uma meia verdade: isso pode até resultar na contratação de jornalistas locais, mas não garante que a pauta seja distinta da dos grandes meios, que ocupam espaço nas publicações com seus colunistas e ditam o que é ou não pauta nacional.

De minha parte, tenho escrito sobre o paradoxo da chamada "crise da mídia". As empresas demitem jornalistas e reduzem custos ao mesmo tempo em que aumentam sua influência sobre o público através da apropriação das ferramentas disponíveis aos usuários das redes sociais.

No passado, o leitor de Arapiraca, em Alagoas, provavelmente teria de esperar o dia todo até receber sua edição de O Globo impressa no Rio de Janeiro. Agora, via Facebook, ele recebe o artigo do Merval Pereira pregando a prisão de José Dirceu disseminado pelos próprios internautas. Mais que isso, recebe o artigo recomendado por um parente ou amigo, o que acrescenta um peso — vamos dizer, "emocional" — ao conteúdo.

O poder dos conglomerados se ampliou na medida em que eles dispõem de mais recursos para disputar espaço nas redes sociais."
Artigo Completo, ::AQUI::
Posted: 17 Jun 2013 04:01 PM PDT

Posted: 17 Jun 2013 03:56 PM PDT


"Equipe do jornalista Caco Barcellos foi impedida de acompanhar manifestação no Largo da Batata, em São Paulo; parte dos manifestantes, que já são 30 mil, se encaminha para a sede da Globo em São Paulo; transmissão da Globonews força a barra e tenta se apropriar da agenda dos protestos, incluindo temas de interesse da Globo, como a PEC 37


Sobrou também para a Rede Globo. Ou melhor, para a "Central Globo de Mentiras", segundo as palavras de ordem que foram proferidas nesta segunda-feira, em São Paulo. À tarde, uma equipe do jornalista Caco Barcellos, do programa Profissão Repórter, foi impedida de acompanhar os protestos no largo da Batata, na região da Faria Lima, em São Paulo.

Os manifestantes expulsaram o jornalita e seus repórteres com gritos de "Fora Globo" e "Central Globo de Mentiras". Uma parte dos 30 mil manifestantes em São Paulo se dirige à sede da Globo na capital paulista.

Na GloboNews, a âncora Leilane Neubarth tenta, a qualquer custo, vincular os protestos à PEC 37. Em editorial recente, o jornal O Globo condenou a iniciativa do Congresso de limitar poderes do Ministério Público, com a proposta de emenda constitucional. Forçando a barra, Leilane tem tentado associar os protestos à defesa que a Globo tem feito do MP. Segundo ela, os manifestantes que subiram no topo do Congresso Nacional estariam tentando pressionar parlamentares contra a PEC."
Posted: 17 Jun 2013 03:32 PM PDT


"Grupo hacker assume a invasão do perfil oficial da revista da Abril no Twitter e divulga senhas para a publicação de fotos e vídeos dos recentes protestos contra o aumento da tarifa do transporte público; "Não é por centavos, é por direitos", diz mensagem de cartaz; "Um jornalista fascista é pior que 300 polícias da tropa de choque te reprimindo", escrevem ativistas, que anunciam que outros perfis estão sendo tomados


"O perfil no Twitter da revista Veja (@VEJA) foi invadido pelo grupo hacker Anonymous Brazil nesta segunda-feira e vem tendo mensagens publicadas pelos ativistas desde então. "Jornalismo fascista nós não precisamos de vocês", diz o primeiro tuíte da página após a invasão, assumida por @AnonManifest.

O grupo informou que "outros vários perfis estão sendo tomados" neste momento e que "estará a dispor, p serem usados como divulgação de videos fotos". "O perfil da @Veja é invadido por nós #Anonymous. O teor dos textos melhorou 800%. :)", escreveram os invasores. Em sua página, o Anonymous divulgou a nova senha da Veja no Instagram e no Gmail.

"Acabei de tomar de assalto o perfil da @veja aqui no twitter!", publicou @AnonManifest, por volta de 12h50. A revista Veja já divulgou nota a respeito, informando que, neste momento, as mensagens publicadas em suas contas "são falsas". Leia abaixo:

Perfis de VEJA no Twitter são invadidos

Por ora, as informações publicadas nas contas são falsas. Bloqueio já foi solicitado à rede social

Dois perfis ligados a VEJA foram invadidos nesta segunda-feira. As contas são @VEJA, o perfil principal da publicação, e @radaronline, assinada por Lauro Jardim, redator-chefe da revista.

Todas as informações publicadas a partir das 12h20 são de responsabilidade dos invasores. O bloqueio dos perfis já foi solicitado pela redação à rede social."


Posted: 17 Jun 2013 08:18 AM PDT


Miguel do Rosário, o cafezinho

"Há tempos eu não encontrava um assunto tão desafiador como esses levantes da juventude. De início, fiquei chocado, negativamente, com algumas cenas: jovens queimando a bandeira do Brasil; um outro vestido com as cores dos EUA exibindo uma bandeira do Brasil pichada com a palavra Lixo; depredação da sede de um partido político; destruição de patrimônico público, ônibus, agências…

Depois a coisa se complicou na minha cabeça. Não era bem assim. Os vândalos eram uma minoria, infiltrados? Há relatos  de policiais a paisana promovendo depredações, para desqualificar os protestos. Em seguida, a repressão brutal mudou completamente a balança. O vandalismo é lamentável, mas é uma coisa da qual a gente pode se defender com certa facilidade. Basta identificar e prender os responsáveis. O vandalismo ataca objetos inanimados. A brutalidade policial ataca seres humanos, e vem justamente daqueles que pagamos com nossos impostos para zelarem por nossa proteção.

Seria vulgar e óbvio criticar o governador Geraldo Alckmin. Sua irresponsabilidade é gritante. Sua truculência, um fato lamentável que, espero, o povo saiba castigar no seu devido momento, assim como fizeram com aquele prefeito de São José dos Campos, rechaçado pelas urnas por causa da brutalidade que patrocinou, juntamente com o governo do estado, contra os moradores de Pinheirinho.

Eu quero entender é o movimento em si. Estou lendo tudo há dias, freneticamente. O Nassif tornou-se um entusiasta dos levantes. A esquerda tradicional olha com desconfiança e mesmo com medo para um movimento ideologicamente obscuro. Os movimentos da direita virtual, que tentam há anos, em vão, fazer mobilizações similares, observam os acontecimentos com brilho maligno nos olhos, e tratam de se unir aos jovens e tentar influir em seu estado de espírito, envenenando-os com rancor antipolítica e falso moralismo."
Matéria Completa, ::AQUI::
Posted: 17 Jun 2013 07:30 AM PDT


"Atores se mobilizam contra a violência da Polícia Militar durante protestos em São Paulo e publicam fotos nas redes sociais com os olhos roxos; ação "dói em todos nós" foi idealizada pelo fotógrafo Yuri Sardenberg, que se inspirou na repórter da Folha de S.Paulo Giuliana Vallone, atingida por uma bala de borracha; sete jornalistas do jornal ficaram feridos


Revoltados com a violência da Polícia Militar diante dos recentes protestos contra o aumento da tarifa de ônibus, principalmente em São Paulo, vários atores aderiram à campanha #mudabrasil e #doiemtodosnos nas redes sociais.

Idealizado pelo fotógrafo Yuri Sardenberg, que se inspirou na jornalista Giuliana Vallone, ferida com um bala de borracha enquanto cobria a manifestação para a Folha de S.Paulo, o ensaio mostra os artistas com os olhos roxos.

"Acorda Brasil essa é nossa chance de mudar", escreveu a atriz Thaila Ayalla no Twitter. "A violência e truculência com que os manifestantes vêm sendo abordados são mais uma forma de desrespeito ao cidadão brasileiro", publicou seu marido, Paulo Vilhena, na legenda da foto.

Outros participantes da manifestação são os atores Carmo Dalla Vecchia e Fernanda Rodrigues, a modelo Yasmin Brunet e o próprio fotógrafo, Yuri Sardenberg. Ao todo, sete jornalistas da Folha foram feridos durante a cobertura, todos identificados como profissionais da imprensa.

Um repórter da revista Carta Capital chegou a ser preso por carregar vinagre na mochila – o produto ajuda a amenizar a irritação dos olhos diante do gás e dos sprays de pimenta da polícia."
Posted: 17 Jun 2013 06:55 AM PDT


Militantes sem-teto, do movimento gay e
de sindicatos aderem ao protesto de
hoje em São Paulo


"Após repressão policial da semana passada, mais grupos devem se somar à manifestação desta segunda-feira no Largo da Batata, em Pinheiros

Redação, RBA

O quinto ato pela redução das tarifas do transporte público em São Paulo (ônibus, metrô e trens), marcado para às 17h de hoje (17), deve ganhar o apoio de diversos movimentos sociais e de trabalhadores. A manifestação desta vez será no Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste da cidade.

Entre os novos apoiadores estão os movimentos de sem-teto da capital, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) e sindicatos de trabalhadores metalúrgicos, rurais, da construção civil e do comércio.
Mais informações »

Posted: 17 Jun 2013 06:28 AM PDT


Marli Moreira, Agência Brasil

"O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) teve alta de 0,43%, na segunda prévia de junho, o que representa um recuo de 0,05 ponto percentual sobre o resultado da apuração anterior (0,48%). A pesquisa, feita pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), mostra que cinco dos oito grupos pesquisados indicaram queda no ritmo de correções.

O principal decréscimo foi registrado em alimentação (de 0,65% para 0,41%), que teve influência das hortaliças e dos legumes (de -0,78% para -3,01%). Também houve elevação média dos preços com taxa inferior à medição passada nos grupos vestuário (de 1,12% para 0,73%) com destaque para as roupas (de 1,23% para 0,82%); saúde e cuidados pessoais (de 0,60% para 0,53%) sob efeito dos medicamentos em geral (de 0,54% para 0,33%); educação, leitura e recreação (de 0,35% para 0,27%), com o impacto da redução no valor cobrado em ingressos para show musical (de 1,23% para -0,83%) e  comunicação (de 0,27% para 0,20%), com os pacotes de telefonia fixa e internet (de 1,03% para 0,39%).

Nos demais grupos ocorreram avanços: transportes (de 0,01% para 0,19%), puxado pela tarifa de ônibus urbano (de -0,13% para 1,12%); habitação (de 0,59% para 0,63%), com a tarifa de eletricidade residencial (de -0,70% para -0,23%) e despesas diversas (de 0,01% para 0,05%), com o serviço religioso e funerário (de -0,71% para -0,15%).

Os cinco itens de maior influência na variação do IPC-S desse período (semana encerrada em 15/06) foram: mamão papaya (de 30,83% para 18,77%); aluguel residencial (de 0,89% para 0,87%); tarifa de ônibus urbano (de -0,13% para 1,12%); refeições em bares e restaurantes (de 0,64% para 0,50%) e leite tipo longa vida (de 3,68% para 3,58%)."
You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610



--
Francisco Almeida 





Postar um comentário