quinta-feira, 21 de junho de 2012

Via Email: BRASIL! BRASIL!



BRASIL! BRASIL!


Posted: 20 Jun 2012 05:21 PM PDT


Agência Brasil

"Em nome de cerca de 1.000 organizações não governamentais (ONGs), o representante da Rede de Ação Climática, Wael Hmaidan, pediu hoje (20) para que a referência de apoio atribuída às entidades civis organizadas seja retirada do texto final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20. O apelo, em tom de cobrança, ocorreu na primeira sessão plenária da conferência, no final desta manhã.

Hmaidan discursou por menos de cinco minutos, ressaltando o apoio das organizações, mas houve tempo suficiente para enviar sua mensagem aos cerca de 100 chefes de Estado e Governo presentes na Rio+20. As organizações protestam contra o conteúdo do texto, alegando que ele não atende às demandas básicas envolvendo questões sociais e ambientais, apresentadas pelas ONGs que participaram das negociações como observadoras.

No seu breve discurso, Hmaidan reclamou da exclusão de quatro aspectos no documento final da conferência. Segundo ele, não há menção ao direito reprodutivo das mulheres, limitações sobre o uso e a produção de energia nuclear, regulação detalhada das águas oceânicas, além de metas e prazos.

Para Hmaidan, seria essencial mencionar as preocupações sobre a questão nuclear principalmente depois dos vazamentos e explosões na Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, no Nordeste do Japão, em março de 2011. Em decorrência dos acidentes nucleares no Japão, o mundo passou a prestar mais atenção ao assunto e houve um alerta, como admitiram várias autoridades.

O documento final da Rio+20 foi intensamente negociado nos últimos dias da conferência. Mas, segundo negociadores, as propostas encaminhadas pelas ONGs serão consideradas ainda pelos chefes de Estado e Governo. Do total de dez painéis, serão enviadas 30 recomendações para os líderes para futura apreciação.

A Rede de Ação Climática (cuja sigla em inglês é CAN) é uma entidade internacional, que engloba mais de 700 organizações não governamentais que defendem as questões relativas à sustentabilidade. No fim de semana, a rede fez críticas ao penúltimo rascunho do texto final da Rio+20.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reagiu às críticas das ONGs. Segundo ele, o texto acordado pelos negociadores é resultado de uma nova ordem mais inclusiva e ressaltou que as organizações não governamentais ganharam mais voz na Rio+20. De acordo com o chanceler, as cobranças são naturais e as organizações estão no seu direito.

"O governo brasileiro criou a conferência mais inclusiva da história da ONU [Organização das Nações Unidas]. Aqui, no Rio de Janeiro, estamos dando vozes a ONGs e ao setor privado para que se expressem", disse Patriota. "É natural que queiram mais e sejam mais ambiciosas."

O ministro brasileiro completou que "se juntarmos 193 ONGs, de diferentes países, elas também terão dificuldades em encontrar um denominador comum. É preciso entender que o processo intergovernamental é diferente do processo da sociedade civil. Mas eles se complementam".


Posted: 20 Jun 2012 05:11 PM PDT



"O fotógrafo Fernando Rabelo publicou no Facebook, nesta quarta-feira (20), a imagem com a seguinte explicação:

- Em 1972, Dilma Rousseff ficou encarcerada por dois meses em Juiz de Fora. Em 2011, o fotógrafo Aelson Foto Faria Amaral, que pesquisava o acervo fotográfico do Diário Mercantil no Arquivo Municipal de Juiz de Fora, localizou essa fotografia inédita (autor desconhecido), que mostra Dilma e seus companheiros durante um interrogatório na 4ªRM MG, em JF, em 1972. Na foto aparecem Marco Rocha, José Raimundo Jardim Alves Pinto, Guido de Souza Rocha, Ageu Heringer Lisboa, o atual ministro Fernando Pimentel, Gilberto Vasconcelos e Dilma Rousseff. Em outubro de 2001, nove anos antes de ser eleita presidente, Dilma Rousseff revelou em depoimento ao Conselho dos Direitos Humanos de Minas Gerais, que sofreu torturas em Juiz de Fora. Ao todo, Dilma ficou presa durante três anos em prisões no Rio e São Paulo."


Posted: 20 Jun 2012 04:59 PM PDT


"Apesar de ter desistido de concorrer como vice à Prefeitura de São Paulo, na chapa encabeçada por Fernando Haddad (PT), a deputada Luíza Erundina (PSB-SP) descartou a possibilidade de apoiar outro candidato: "Minha desistência não significa recusa ao Haddad ou ao projeto que ele representa. Nada me move ou me leva a sair deste campo onde eu sempre estive, que é o campo socialista. Eu não vou mudar de lado nunca".

Najla Passos, Carta Maior

Apesar de ter desistido de concorrer como vice à Prefeitura de São Paulo, na chapa encabeçada por Fernando Haddad (PT), a deputada Luíza Erundina (PSB-SP) descartou, nesta quarta (20), em coletiva à imprensa, a possibilidade de apoiar outro candidato nas eleições deste ano. "Minha desistência não significa recusa ao Haddad ou ao projeto que ele representa. Esse compromisso permanece, até porque é um compromisso com minhas bases em São Paulo. Nada me move ou me leva a sair deste campo onde eu sempre estive, que é o campo socialista. Eu não vou mudar de lado nunca", esclareceu.

A deputada atribuiu sua desistência única e exclusivamente ao espaço que o partido deu ao presidente estadual do PP, deputado Paulo Maluf, com quem firmou aliança na última segunda (18). Sua renúncia, inclusive, foi anunciada após publicação, pela imprensa, de uma foto em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumprimenta Maluf, após visita à residência dele, no bairro Jardins, em São Paulo. "Não foi a foto em si, mas o simbolismo dela, o que ela representa. O fato do ex-presidente Lula, com a força que tem, com a popularidade que tem, ir à casa do Maluf. Uma pessoa só vai a casa da outra quando mantêm relações de amizade, relações de respeito mútuo", observou.

Para Erundina, Lula errou ao aceitar se reunir com Maluf em ambiente privado e firmar uma aliança com ele, em troca de espaço na TV para a campanha de Haddad. "É um preço muito alto por uma coisa tão pequena. Mídia é importante, mas não é tudo em uma campanha. Caso contrário eu não teria me elegido há 22 anos", disse. E, após reconhecer que não manteve contatos recentes com o ex-presidente, alfinetou: "Lula é sensível. A essas alturas ele já deve ter percebido o fora que deu".
Artigo Completo, ::AQUI::


Posted: 20 Jun 2012 04:19 PM PDT


"Presidente francês e ex-presidente brasileiro concordaram, em encontro na manhã desta quarta-feira, que é preciso propor medidas corajosas e enfrentar desafios sociais, políticos e econômicos para superar a crise

Brasil 247

O presidente da França, François Hollande, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se reuniram hoje (20) num encontro de amigos. Hollande veio trazer ao ex-presidente brasileiro votos de pronta recuperação da saúde. Lula parabenizou o presidente francês por sua vitória nas eleições de maio, que o levaram à Presidência, e nas eleições legislativas que deram a ele maioria no no parlamento.

No encontro, além dos temas da Conferência Rio+20, Lula e Hollande debateram a gravidade da crise financeira e o papel das esquerdas europeias e latinoamericanas na definição de alternativas políticas e econômicas para a superação das dificuldades colocadas por décadas de domínio de políticas conservadoras."
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Matéria Completa, ::AQUI::


Posted: 20 Jun 2012 04:12 PM PDT


Luis Nassif, Luis Nassif Online

"Tenho um carinho histórico por Luiza Erundina.

Quando foi alvo de uma tentativa de golpe por parte do Tribunal de Contas do Município (TCM) devo ter sido o único jornalista a sair em sua defesa. Tinha o programa Dinheiro Vivo, na TV Gazeta, de público majoritariamente empresarial. Externei minha indignação que deve ter tido algum peso na decisão do presidente da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) Mário Amato, de visitá-la com uma comitiva de empresários, hipotecando-lhe solidariedade.

Defendia-a também quando operadores do PT criaram o caso Lubeca. E, recentemente, o Blog conduziu uma campanha de arrecadação de fundos, para ajudar Erundina a pagar uma condenação injusta dos tempos em que foi prefeita.

Sempre admirei sua luta pelos movimentos sociais, das quais sou periodicamente informado por irmãs lutadoras.

Por tudo isso, digo sem pestanejar: ao pedir demissão da candidatura de vice-prefeita de Fernando Haddad, Erundina errou, pensou só em si, não nas suas bandeiras políticas nem nos seus movimentos sociais. Foi terrivelmente individualista.


À luz das entrevistas que concedeu ontem, constata-se que os motivos foram fúteis. Estava informada da aliança do PT com Paulo Maluf; chocou-se com a foto  de Lula e Haddad com ele. Foi a foto, não a aliança, que a chocou."
Artigo Completo, ::AQUI::


Posted: 20 Jun 2012 03:54 PM PDT


Vitor Abdala, Agência Brasil

"A presidenta da República, Dilma Rousseff, usou seu discurso, na cerimônia de abertura da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, para mandar um recado aos países desenvolvidos que se posicionam contra a criação de um fundo para financiar o desenvolvimento sustentável nas nações mais pobres. Segundo ela, as promessas de financiamento não se materializaram nos "níveis necessários".

"A transferência das indústrias mais poluentes, do Norte para o Sul do mundo, colocou as economias desenvolvidas no rumo de uma produção tida como mais limpa. Mas deixou pesada a carga e a conta socioambiental para os países em desenvolvimento. A promessa de financiamento do mundo desenvolvido para o mundo em desenvolvimento com vistas à adaptação e à mitigação ainda não se materializou nos níveis prometidos e necessários", disse a presidenta.

Dilma também lembrou que o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, em que os países ricos teriam mais responsabilidade que os pobres na promoção do desenvolvimento sustentável, "tem sido, muitas vezes, recusado, na prática".
Matéria Completa, ::AQUI::


Posted: 20 Jun 2012 09:07 AM PDT




Posted: 20 Jun 2012 09:05 AM PDT






Posted: 20 Jun 2012 08:28 AM PDT


"Para presidente de instituto, disparidade entre resultados de levantamentos tem razões "políticas" e de metodologia

Opera Mundi

O atual presidente da Venezuela, Hugo Chávez, aparece com larga vantagem em relação ao seu principal opositor na corrida eleitoral do país sul-americano, segundo a pesquisa divulgada nesta terça-feira (19/06) pelo GIS XXI (Grupo de Investigação Social Século XXI), instituto de estudos políticos e estatísticas. Chávez possui 57,8% das intenções de votos contra 23% do candidato da coalizão de partidos conservadores MUD (Mesa de Unidade Democrática).

Além da enorme diferença, o presidente do GIS XXI, Jessé Chacón, ainda destaca que o nível de reprovação do candidato da oposição chega a 42%, enquanto o atual presidente agrada a 63% dos entrevistados. A pesquisa foi realizada entre os dias 28 de maio e 5 de junho com 2,5 mil pessoas em 24 estados do país. A margem de erro é de 2 pontos percentuais."
Pesquisa Completa, ::AQUI::


Posted: 20 Jun 2012 08:18 AM PDT
Francischini, o valentão do PIG, sendo contido pelos colegas na Câmara durante entrevero com Dr. Rosinha (PT-PR)


Esmael Moraes, Blog do Esmael

"O deputado federal Fernando Francischini, do PSDB, daqui do Paraná, conhecido nacionalmente como "valentão do PIG", entrou em contato há pouco com este blogueiro para explicar seu pedido de censura ao jornalista Paulo Henrique Amorim (PHA), do blog Conversa Afiada.

O valentão do PIG estava mansinho. Defendeu a decisão do juiz José Roberto Pinto Junior, da 8ª Vara Cível de Curitiba, que censurou PHA.

Para quem não sabe, PIG significa Partido da Imprensa Golpista. O termo foi popularizado pelo próprio PHA e adotado pela blogosfera progressista nacional para se referir à velha mídia.

Pois bem, o parlamentar tucano, que é delegado licenciado da Polícia Federal, afirmou ao blog que "não censurou ninguém e que foi a Justiça quem viu exageros nas postagens do jornalista".

No meu ponto de vista, exagero é qualquer forma de censura. Somente o Supremo Tribunal Federal (STF), como defendeu o próprio PHA no encontro de blogueiros em Salvador, deve ter o poder para "retirar" uma matéria da internet. É a tal liberdade de expressão — lembra valentão do PIG? — que está registrada na Constituição Federal.

Francischini disse que não se importa com as críticas de cunho político, mas "acusações infundadas" ele não pode admitir.

"Ele [PHA] pegou um email qualquer com um relatório da Anistia Internacional e atribuiu os supostos cadáveres a mim. Aquilo não é verdade. Tenho que defender a minha honra", justifica-se o tucano, o mais novo bate-pau do PIG.

Renovo a minha solidariedade ao jornalista Paulo Henrique Amorim. O valentão do PIG poderia – como fez – até pedir reparação judicial, o que é justo e de seu direito. Agora, a censura é algo abominável e repugnante. Não pode censurar, não pode censura."
Foto: Andre Borges/Folhapress


Posted: 20 Jun 2012 07:43 AM PDT
Correio do Brasil / Rede Brasil Atual


"A ação penal contra o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, e outros denunciados pela Operação Monte Carlo já tem novo magistrado responsável. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) anunciou na noite de terça-feira que o juiz federal Alderico Rocha Santos, atual titular da 5ª Vara Federal, conduzirá o caso, mas sem deixar seu posto de origem.

A medida foi tomada pelo presidente do TRF1, desembargador Mário César Ribeiro, depois que o juiz substituto Paulo Moreira Lima pediu afastamento da 11ª Vara Federal em Goiás, onde corre o processo contra Cachoeira. Moreira Lima alegou sofrer ameaças de pessoas ligadas ao empresário e também disse que ficou desmotivado com a falta de apoio de colegas sobre a validade das provas colhidas no processo.

Com a saída de Moreira Lima, o juiz titular da 11ª Vara, Leão Aparecido Alves, que deveria assumir o caso, declarou-se suspeito e alegou foro íntimo para não julgar a ação. Segundo o Conselho Nacional de Justiça, Leão recebeu ligação de um dos suspeitos de integrar a quadrilha liderada por Cachoeira.

Alderico Santos já atua na área criminal. Um de seus feitos mais lembrados é de 2002, quando mandou prender o hoje senador Jader Barbalho (PMDB-PA) por fraudes contra a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Na época, o juiz pertencia à Justiça Federal em Tocantins e foi criticado pelo desembargador Fernando Tourinho Neto, do TRF1, que mandou soltar Barbalho. Hoje, Tourinho é relator de todos os recursos sobre o caso Cachoeira que chegam ao tribunal."


Posted: 20 Jun 2012 07:25 AM PDT


"A tortura é indefensável em qualquer circunstância e torturadores têm de ser punidos

Hélio Doyle, Brasil 247

"Quem esteve preso ou conheceu pessoas que foram presas nos tempos da ditadura sabe do que a agora presidente Dilma Rousseff está falando ao narrar as torturas que sofreu em Juiz de Fora. Muitos presos brasilienses passaram por lá, pois até 1971 não existia auditoria militar em Brasília e os julgamentos eram no tribunal militar daquela cidade mineira. Aliás, muita gente sequer sabe que os acusados de crimes contra a "segurança nacional" eram julgados por auditorias militares e pelo Superior Tribunal Militar.

A repórter Sandra Kiefer e os jornais Estado de Minas e Correio Braziliense ajudam muito, com a reportagem sobre as torturas a que Dilma foi submetida, a situar bem aquele período e mostrar como era a repressão aos movimentos políticos. A tortura é indefensável em qualquer circunstância, em qualquer lugar, em qualquer sistema político. Se não leva à morte, deixa marcas físicas e psicológicas para sempre, como disse a presidente Dilma: "As marcas da tortura sou eu. Fazem parte de mim".

Diante das torturas e dos assassinatos cometidos por agentes civis e militares do regime, com o conhecimento e a conivência das mais altas autoridades, inclusive dos generais-presidentes da República, todas as demais questões a respeito daquele período têm de ser colocadas nesse contexto de cerceamento dos direitos e da liberdade e brutal repressão policial e política.

Alguns expoentes da direita, e pretensos liberais que têm acesso à grande imprensa fazem, há anos, a tentativa de colocar no mesmo balaio os crimes da ditadura e os cometidos pelos militantes das inúmeras organizações revolucionárias. Confundem deliberadamente várias questões, para tirar o mérito dos que lutaram contra a ditadura, impedir a apuração dos fatos e justificar a lei que concedeu anistia a assassinos e torturadores. Querem passar a ideia de que é a resistência armada não era legítima diante daquele regime ditatorial.

Algumas dessas falsas questões levantadas:

1) As organizações revolucionárias não lutavam pela democracia, mas pelo comunismo e pela ditadura do proletariado, e assim queriam substituir uma ditadura por outra.


É uma simplificação que desconsidera a história e a inteligência das pessoas. A luta contra a ditadura reuniu pessoas de diversas correntes políticas, com grande participação dos comunistas de diversas orientações, tradicionalmente mais organizados, mais dedicados e mais decididos. Para alguns deles, a democracia burguesa era uma etapa necessária para a construção do socialismo. Outros falavam em democracia popular, outros queriam ir direto ao socialismo. Comunistas também participaram ativamente, e em muitas regiões lideraram a resistência clandestina contra o nazismo, contra o fascismo e contra as ditaduras na América Latina e na Europa pós-guerra, lutando pela democracia sem abandonar seus objetivos estratégicos."
Artigo Completo, ::AQUI


Posted: 20 Jun 2012 07:01 AM PDT
Com o problema da verba do PAC, 
70% do esgoto da capital matogrossense 
ainda seja despejado no rio Cuiabá



Samantha Maia, CartaCapital

 "Algo não cheirava bem em Cuiabá (MT), e o odor ruim ia além do esgoto não coletado na maioria das suas residências. Uma investigação da Polícia Federal iniciada em 2007 indicava fraudes nas licitações do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras de saneamento na cidade, que juntas formavam um investimentos de 238 milhões de reais. A Operação Pacenas foi deflagrada em agosto de 2009 com a paralisação das obras e a prisão de onze pessoas, dentre elas servidores públicos, donos de construtoras e José Antônio Rosa, então procurador-geral do município e ex-presidente da Companhia de Saneamento da Capital, a Sanecap – o nome espelhado da instituição deu o título à operação.

As investigações acabaram arquivadas porque as provas desobedeciam às normas processuais. Ninguém foi processado, mas até agora estima-se que apenas 3% das obras de água e esgoto foram realizadas na cidade. Mais que isso: metade das casas ainda recebe água em dias alternados e 70% do esgoto coletado é despejado no rio Cuiabá. Esse não era o cenário sonhado pelo então prefeito Wilson Santos (PSDB) há três anos, quando comemorava a assinatura dos contratos do PAC. Os recursos se juntavam "à expectativa de trazer os benefícios tanto ansiados pela população cuiabana na área de saneamento básico", disse o tucano à época em palanque. Santos saiu da prefeitura em 2010 inocentado de participação no esquema criminoso para tentar a vaga de governador do Mato Grosso. Conseguiu chegar apenas em terceiro lugar.

A batata quente do saneamento ficou nas mãos de seu vice Chico Galindo (PTB), que assumiu o posto em 2010. Diante dos impasses em acessar os recursos federais após denúncias, atraso nas licitações e reavaliação das obras, o novo prefeito decidiu em 2011 privatizar o serviço. A notícia provocou a suspensão dos repasses de recursos do PAC pela Caixa Econômica Federal. Recursos não-onerosos do Tesouro nacional não poderiam ser entregues a uma empresa privada. Depois de muitas indas e vindas e resistência de vereadores da oposição, a prefeitura conseguiu iniciar um processo de concessão dos serviços de água e esgoto, retirando a Sanecap das atividades e abrindo mão das verbas do PAC."
Foto: Mario Vilela/Folhapress
Matéria Completa, ::AQUI::


You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610



--
Francisco Almeida / (91)81003406

Postar um comentário