sexta-feira, 20 de abril de 2012

Via Email : BRASIL! BRASIL!




BRASIL! BRASIL!


Posted: 19 Apr 2012 06:25 PM PDT


"Depois de 27 anos de redemocratização do país, e de um período prolongado de luta aberta entre forças que se opõem no cenário político, talvez seja conveniente lembrar Maquiavel também no nosso pedaço de mundo, onde atribuímos à velha ordem excessivo poder para decidir nosso futuro.

Maria Inês Nassif, Carta Maior

Houve um tempo em que a desenvoltura de velhas raposas da política tradicional, e uma vocação dessas lideranças para remar a favor da maré, davam a impressão, para quem as assistia do lado de fora do palco institucional, de que elas tinham um quase monopólio, um poder ilimitado de construir a história. Depois de 27 anos de redemocratização do país, e de um período prolongado de luta aberta entre forças que se opõem no cenário político, talvez seja conveniente lembrar Maquiavel também no nosso pedaço de mundo, onde atribuímos à velha ordem excessivo poder para decidir nosso futuro.

Dois governos de Luiz Inácio Lula da Silva e pouco mais de um ano com Dilma Rousseff – três gestões onde a disputa política saiu dos porões do poder e se escancarou para outros setores sociais – mostraram que o jogo político, mesmo quando escamoteado, é virtude e fortuna. Ou seja, nunca é produto exclusivamente da vontade de um governante, embora a virtude seja fundamental para mover um governo, e a fortuna, isto é, a roda da história, nunca acontece descolada da virtude.

As virtudes de um e outro governante não são iguais, mas já se pode dizer, com um alto grau de certeza, que o correr dos acontecimentos – a fortuna – foi adequada às diferenças entre Dilma e Lula. Dilma está no lugar e na hora onde tem que estar; Lula cumpriu o seu papel no seu momento. E o processo histórico, como se move, saiu de uma realidade onde o governo era defensivo e tinha como contraponto um presidente com raras qualidades de conciliação; para uma outra, em que o governo é ofensivo e a presidenta, sem habilidades específicas para manobrar a política institucional, encontra terreno para exercer a sua vocação maior, que é a de se contrapor.

A rápida intervenção de Dilma nos juros domésticos (o pesadelo para todos os governantes das últimas duas décadas) tanto pela via institucional, o Copom, como da pressão direta sobre os bancos, é o estilo Dilma, beneficiado pelo gradual abandono da ortodoxia econômica iniciada no governo Lula e pela crise mundial. A volta por cima da crise política do chamado "mensalão" de 2005, via apoio popular, é estilo Lula.

Nos mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), exceto em um breve primeiro ano de lua-de-mel com as elites políticas brasileiras, o governo foi mantido acuado na política institucional por uma minoria oposicionista amplificada por uma mídia hegemônica; e, no plano da sociedade civil, manteve uma aproximação permanente com setores não organizados, beneficiados pelos programas sociais e/ou atraídos pelo carisma do chefe do Executivo."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 06:21 PM PDT




Posted: 19 Apr 2012 06:17 PM PDT


Wálter Maierovitch, CartaCapital

"Na quinta-feira 19, o Supremo Tribunal Federal (STF) passou a ser presidido pelo ministro Carlos Ayres Britto, que completará 70 anos de idade em novembro e terá de deixar as funções, salvo se, até lá, for aprovada a apelidada "emenda da bengala". Essa emenda-constitucional muda o regramento ao passar para 75 anos a idade limite de aposentadoria compulsória aos servidores públicos.

Fora o grande preparo jurídico, Britto tem marcado a sua trajetória na Corte pela ponderação, equilíbrio e independência. E não terá dificuldade em colocar uma pá de cal no mal estar criado pelo seu antecessor, Cesar Peluso, que se comportou, na véspera de deixar a presidência do STF, de forma destemperada, para dizer o menos.

Peluso atacou, pesadamente e sem razão, a presidenta Dilma Roussef que, diante de uma explosiva crise econômica-financeira internacional, não reajustou os vencimentos dos magistrados e, por tabela, o de todas as carreiras jurídicas assemelhadas. Ou seja, evitou o conhecido "efeito cascata".

À suprema magistrada da Nação, por não ter contentado o bolso das togas, Peluso atribuiu violação à Constituição e descumprimento de decisão do Supremo. O ministro, que cai na compulsória em setembro próximo e poderá ficar no caso de vingar a emenda da bengala,  criticou também o colega Joaquim Barbosa, a sua vice no Conselho Nacional de Justiça, Eliana Calmon, e o senador Francisco Dornelles, responsável pelo arquivamento de projeto de emenda Constitucional (PEC) fundado em proposta de Peluso de aceleração de processos."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 04:29 PM PDT
"A líder do PCdoB na Câmara, deputada Luciana Santos, indicou os deputados Delegado Protógenes (SP) e Osmar Júnior (PI) para integrarem como titular e suplente, respectivamente, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para investigar o contraventor Carlos Cachoeira e o senador Demóstenes Torres (ex-DEM) investigados nas operações Vegas e Monte Carlos, da Polícia Federal

Vermelho

No Senado, o líder do bloco (PT, PDT, PSB, PCdoB e PRB), senador Walter Pinheiro (PT-BA), deverá indicar a senadora Vanessa Grazziotin (AM) como titular de uma das 15 vagas de senadores na CPMI.

A criação da CPMI, lida nesta quinta-feira (19) pela vice-presidente do Congresso, deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), contou com o maior número de assinaturas da história do parlamento. O requerimento foi assinado por 337 deputados e 72 senadores. A previsão é a de que a CPMI seja instalada na próxima quarta-feira (25)."
Matéria Completa, ::Aqui::

---------------------------------

Um pouco de Protógenes Queiroz: "Não podemos confundir jornalistas com bandidos"







Posted: 19 Apr 2012 04:07 PM PDT


Mariana Jungmann, Agência Brasil

"O principal parlamentar afetado pelas denúncias da Operação Monte Carlo, senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), disse hoje (19) que apoia a criação de uma comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) para investigar os escândalos de corrupção e tráfico de influência resultantes da investigação da Polícia Federal.

Demóstenes, que está retornando ao Senado, depois de ficar mais de um mês longe da Casa, falou rapidamente com os jornalistas e disse que sempre foi "coerente". "Acho que o Congresso Nacional tem razão para criar a CPMI. Respeito a decisão dos colegas e todos têm direito de assinar o requerimento de criação dela".

O senador goiano foi flagrado em diversas conversas com Carlinhos Cachoeira, que é acusado pela Polícia Federal de ser o controlador da máfia de jogos ilegais em Goiás. Nos telefonemas grampeados, Demóstenes e Cachoeira tratam de numerosos negócios como a relatoria de projetos relacionados aos jogos e a influência no Ministério Público, do qual o senador é membro e seu irmão é chefe em Goiás, para resolver questões de interesse da quadrilha denunciada.

Por causa das denúncias, que também afetam outras autoridades e funcionários públicos, Demóstenes Torres responde a um processo no Conselho de Ética do Senado e uma CPMI foi criada para investigar o caso. Apesar disso, o senador disse hoje que não se sentia constrangido em voltar ao Congresso e participar das atividades parlamentares. "Esta é minha Casa, fui eleito para isso".

O senador deverá entregar sua defesa ao Conselho de Ética no próximo dia 25. Carlos Cachoeira está preso desde 1º de março e foi transferido ontem do Presídio Federal de Mossoró (RN) para a Penitenciária da Papuda, em Brasília. A CPMI criada hoje de manhã irá investigar a relação de Demóstenes, e o envolvimento de pelo menos cinco deputados federais, funcionários públicos do alto escalão dos governos do Distrito Federal e de Goiás e a construtora Delta com o empresário de jogos ilícitos."


Posted: 19 Apr 2012 04:02 PM PDT



'O engenheiro eletricista Peter Walker assumiu nesta quinta-feira a presidência da do Metrô de São Paulo, após indicação do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. Walker, que ocupava o cargo de secretário-adjunto dos Transportes Metropolitanos, já foi condenado em primeira instância por improbidade administrativa. A condenação ocorreu em 2010 e o recurso ainda está em andamento.

O novo presidente do Metrô foi condenado quando esteve à frente da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A (Sanasa), empresa de Campinas responsável pelos serviços de água e esgoto. A ação, movida pelo Ministério Público Estadual, o acusava e a outros executivos da empresa de contratação irregular de funcionários entre 1988 e 1996."
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 09:34 AM PDT


 Suzana Vier, Rede Brasil Atual

"O secretário estadual de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Jurandir Fernandes, minimizou durante reunião hoje (18) na Assembleia Legislativa as frequentes panes nas linhas de trens metropolitanos e do metrô da capital paulista. "É uma barbaridade dizer que há colapso, seja no trem ou no metrô", afirmou a deputados que o convocaram para saber sobre recentes acidentes na malha.

"Os defeitos estão dentro do quadro estatístico. Não está havendo nenhuma situação de perda de controle", acrescentou. Questionado sobre os acidentes ocorridos nas linhas 7 e 9 (em fevereiro) e 8 (janeiro) da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que resultaram em revolta da população, o secretário atribuiu a impressão de que há muitas panes na rede metro-ferroviária de São Paulo à facilidade de comunicação dos usuários e equívocos em classificar um defeito como pane. "A interação dos usuários hoje com os meios de comunicação faz com que todos saibam de tudo".
Foto: Danilo Verpa/Folhapress
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 09:19 AM PDT




Posted: 19 Apr 2012 09:09 AM PDT


"Circulou ontem pela capital federal o presidente do grupo Abril; sua missão é espinhosa: evitar que a CPI sobre Carlos Cachoeira convoque Roberto Civita; na editora responsável por Veja teme-se que ele sofra uma humilhação semelhante à de Rupert Murdoch

Brasil 247

Com a CPI sacramentada e instalada nesta manhã pelo Congresso Nacional, começam a circular os lobbies políticos, empresariais e midiáticos. Ontem, quem foi visto circulando em Brasília foi o executivo Fábio Barbosa, ex-presidente do Santander e atualmente presidente do grupo Abril, que publica Veja. Bem relacionado em todos os partidos, por ter sido também presidente da poderosa Febraban, Fábio Barbosa foi a Brasília com uma missão delicada: convencer lideranças do Congresso Nacional a evitar a convocação, pela CPI, do empresário Roberto Civita, presidente do grupo Abril.

A tarefa é muito difícil. Primeiro, porque são fortes as ligações entre a revista Veja e o esquema do contraventor Carlos Cachoeira. Além das 200 ligações entre o bicheiro e o jornalista Policarpo Júnior, várias reportagens publicadas pela revista apontam um nexo entre os grampos ilegais do bicheiro e os furos de reportagem da publicação. Segundo, porque Civita acumulou inimigos poderosos nos últimos anos. Além do ex-presidente Lula, que fará de tudo para que o magnata da mídia seja convocado, o senador Renan Calheiros, que terá papel importante na comissão, foi personagem de várias capas seguidas da publicação em 2007 e 2008. Veja trabalhou por sua cassação."
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 08:34 AM PDT


Extra / O Globo

"Investigação da Polícia Federal revela que a construtora Delta repassou dinheiro a Alberto e Pantoja Construções e Transportes, empresa de fachada do bicheiro Carlinhos Cachoeira, que por sua vez transferiu recursos a outras empresas que fizeram doações de campanha. Entre os políticos que receberam recursos repassados por estas empresas estão o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO).

Segundo o jornal "Folha de S.Paulo", praticamente todo o dinheiro que a Alberto e Pantoja - criada em maio de 2010 - movimentou teve a Delta como origem. Foram R$ 26,5 milhões até abril de 2011. Segundo o jornal "O Estado de S.Paulo", a construtora de fachada registrou operações atípicas no período eleitoral, num total de R$ 17,8 milhões. Conforme O GLOBO informou, as as empresas de fachada controladas pelo grupo de Cachoeira, a Brava Construções e a Alberto e Pantoja Construções, têm endereços fictícios em Brasília.

A "Folha de S.Paulo" informa que Demóstenes Torres recebeu doação de campanha no valor de R$ 32.620, 82 do Auto Posto T 10 LTDA. O posto de gasolina, por sua vez, recebeu R$ 98.720 da empresa de fachada de Cachoeira."
Matéria Completa, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 08:13 AM PDT


Adilsonbb, Luiz Nassif Online


"As revelações da Polícia Federal de que o redator chefe da Veja, Policarpo Júnior, mantinha relação próxima com o contraventor Carlos Cachoeira, preso na operação Monte Carlo, revoltaram os internautas. Eles organizaram um movimento virtual para que a hashtag #Vejabandida ficasse listada em meio aos assuntos mais comentados na rede social. Antes mesmo do horário combinado, às 20h desta quarta-feira, o termo já estava em quinto lugar nos Trending Topics. Pouco depois das 20h30, chegou ao primeiro lugar na lista nacional e foi parar nos TT´s mundiais."


Posted: 19 Apr 2012 08:07 AM PDT


Antonio Martins, Outras Palavras

"Saiu há semanas, na Inglaterra, um livro especialmente provocador, sobre os movimentos rebeldes de 2011. Seu título, em português, poderia ser Por que tudo está começando1. Seu autor, o jornalista britânico Paul Mason, cobriu quase todas as revoltas sociais que marcaram o ano passado: Cairo, Madri-Barcelona, Atenas, Londres, Madison, Nova York. Mas a obra vai muito além do relato factual. Mason, um repórter experimentado [aqui, seu blog e verberte na Wikipedia], hoje na BBC, é também estudioso incomum da história das revoluções e do movimento operário; das mutações do capitalismo; das teorias sobre redes, políticas horizontais e internet. Ao articular vivência real nas ruas rebeladas com ferramentas teóricas capazes potentes, ele pôde chegar a três grandes hipóteses – tão esperançosas quanto perturbadoras. Elas aparecem em duas entrevistas recentes: uma, ao site norte-americano Alternet; outra, à revista londrina Red Pepper, traduzida e reproduzida alguns parágrafos adiante.


A primeira hipótese de Mason está diretamente relacionada ao título do livro. Ele ressalta que, apesar de terem surgido em cenários políticos, sociais e culturais muito distintos – de um Egito empobrecido e governado com mão-de-ferro à opulenta e liberal Wall Street –, há uma identidade crucial entre as rebeliões de 2011. Todas elas foram deflagradas pelo "colapso" (aqui, não há meias palavras) do padrão de acumulação capitalista inaugurado no início dos anos 1980.


Mason julga que a crise devastou a capacidade do neoliberalismo para produzir algo sem o quê nenhum sistema se sustenta: esperanças e consensos. Até 2008, elas se mantinham, graças aos diversos aspectos que a financeirização das economias assumiu. O crédito fácil e barato mascarava a redução dos salários e o aumento das desigualdades. A perda de empregos industriais era amenizada por um setor de serviços vasto e, em alguns de seus segmentos, sofisticado e florescente. Os antigos vínculos com a empresa ("sou empregado da GM"), família e nação eram substituídos pela ideia de que, ao consumir produtos de uma determinada marca, garantia-se acesso a um mundo particular ("uso um Iphone"). 


No momento em que estas ilusões caem por terra, ressurge (em Tunis, Telavive ou Santiago) um sujeito revolucionário particular. Mason identifica-o como "o jovem bem-formado e sem futuro". Não é um personagem novo. Tipos assim, frisa o autor, foram centrais para que eclodisse a Revolução Francesa. O que os domesticou por séculos, mais tarde, foi a perspectiva de um trabalho decente e uma vida confortável. Ora, provoca Mason, "o que o neoliberalismo fez, nos últimos trinta anos, foi exatamente destruir estas barreiras"…
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 19 Apr 2012 07:30 AM PDT
Bob Fernandes, Terra Magazine

"A CPI do Cachoeira ainda nem começou, mas a guerra, já. Com batalhas políticas. E batalhas midiáticas, que serão ferozes. Vamos a algumas previsões, já que a mãe Dinah previu o Corinthians campeão. Esse, um exercício de futurologia baseado no que já vaza ou está embutido nas manchetes: a empreiteira Delta dará tanto ibope quanto a novela das 9 e a final da Taça Libertadores. Vai se ouvir falar muito em Cabral. Mas  não o Pedro Alvarez,  o Sérgio, governador do Rio, do PMDB. Outros governadores entrarão na dança. O baile, como estamos vendo, já foi aberto por Marconi Perillo, do PSDB de Goiás.

Ao final da CPI, a oposição, insatisfeita com o rumo das apurações, fará um relatório em separado. Esse relatório terá tanto destaque na mídia, ou até mais, do que o relatório oficial. A CPI vazará documentos ilegalmente. Quem não obtiver e não publicar os documentos vazados ilegalmente fará duras críticas aos vazamentos.

Em alguns momentos será intensa a troca de acusações entre partidos da oposição e partidos aliados ao governo. As acusações serão muitas e muito graves. Serão tantas que, em vários episódios, as amigas e os amigos ai em casa não conseguirão entender direito quem recebeu e quem pagou. E quem pegou o quê e de quem.

Uma pequena memória, uma ajuda para  lembrarmos personagens e temas que ressurgirão: Fernando Collor, ex-Presidente da República que renunciou para não ser derrubado por um impeachment. Atual senador, indicado para a CPI pelo PTB. Anotem: Collor irá com muuuuita sede ao pote. Terá a chance da desforra. E, de voltar para a 1ª Divisão."
Artigo Completo, ::Aqui::

----------------------------------







Posted: 19 Apr 2012 06:32 AM PDT


"Representação encaminhada pelo presidente do partido, Sérgio Guerra, aponta ligações espúrias do deputado e ex-delegado com o sargento Dadá; documento pede que ele tenha dez dias para defesa e sugere a perda do mandato; leia a reportagem de Claudio Julio Tognolli

Claudio Julio Tognolli, Brasil 247

O PSDB ingressou na Corregedoria da PF com representação contra o deputado comunista Protógenes Queiroz, por suas ligações espúrias contra o "fac totum" do bicheiro Carlinhos Cachoeira, o sargento Dada.
Obtida pelo Brasil 247 com exclusividade, a representação é incisiva.
 "Chegaram ao conhecimento público, por meio de notícias publicadas em diversos órgãos da imprensa brasileira, denúncias envolvendo Deputado Federal PROTÓGENES QUEIROZ que prejudicam a imagem da Câmara dos Deputados perante a sociedade brasileira e contrariam os padrões éticos exigidos dos membros desta Casa Legislativa.Trata-se das relações suspeitas mantidas pelo representado, Deputado Protógenes Queiroz, com o Sr. Idalberto Matias Araújo,vulgo "Dadá". As informações publicadas dão conta de conversas mantidas entre ambos, em que o Deputado Protógenes Queiroz é flagrado combinando encontros particulares com o referido araponga com vistas a instruí-lo acerca de sua defesa perante a Polícia Federal, em inquérito em que constava como investigado".

Para você entender o contexto: A página 459 da denúncia oferecida contra Carlos Cachoeira, pelo Ministério Público Federal de Goiás, na Operação Monte Carlo, é um dissuasivo nuclear que está tirando o sono de muita gente. Nela está degravada uma escuta telefônica em que Idalberto Matias de Araújo, o sargento Dadá, (braço direito de Cachoeira, preso da Monte Carlo, e agente recrutado por Protógenes Queiroz na Operação Satiagraha) confessa a interlocutores que está criando, com amigos, uma empresa de segurança privada chamada "Satiagraha" – justamente o nome da operação que imortalizou Protógenes por ter prendido, temporariamente, o banqueiro Daniel Dantas."
Matéria Completa, ::Aqui::


You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610





--
Francisco Almeida / (91)81003406

Postar um comentário