domingo, 19 de fevereiro de 2012

Fwd: BRASIL! BRASIL!




BRASIL! BRASIL!


Posted: 19 Feb 2012 05:06 AM PST
Flávia Albuquerque, Agência Brasil

"O diretor de Prevenção e Atendimento da organização não governamental (ONG) Safernet, Rodrigo Nejm, faz um alerta a pais e adolescente de que a web (rede mundial de computadores) e o mundo virtual são territórios tão perigosos quanto os da vida real. "Principalmente para as crianças que, muitas vezes, têm domínio técnico, mas não têm consciência das consequências de publicar algumas informações e de que há criminosos disfarçados [na web]", disse ele.
Rodrigo Nejm disse que, da mesma maneira que os pais orientam os filhos a se cuidar quando estão em uma praça pública, também devem ter critérios para definir limites quando navegam na internet. A coordenadora do Portal da Terceira Idade, Anísia Spezia, concorda com o dignóstico sobre os riscos do mundo virtual, mas lembra que esse não deve ser uma preocupação, apenas, dos pais. Os idosos também ficam expostos na rede e, sem orientação adequada, acabam caindo em armadilhas.


"A terceira idade é dona do seu próprio nariz. Enquanto com os adolescentes as mães continuam dando conselhos sobre a conduta na internet, nem sempre há um filho que faça a mesma coisa com os pais", disse ela.


Essa discussão dominou o debate Conectando Gerações e Ensinando Uns aos Outros: Descobrindo o Mundo Digital com Segurança, que marcou as comemorações do Dia Mundial da Internet Segura, comemorado no dia 7 e fevereiro.O debate ocorreu na sede da Procuradoria Regional da República em São Paulo.

A procuradora regional Janice Ascari disse que a vida virtual não é diferente da vida pessoal e, por isso, é preciso estar sempre vigilante. "Isso não é querer ter controle da vida do filho, é apenas uma atitude de primeiros educadores e de exemplos que eles vão ter para o resto da vida. Por isso, devemos auxiliá-los quanto à melhor maneira que eles devem se comportar na sua vida".


O estudante Bruno Agostinho Barreto Ascari, de 18 anos, acessa a internet desde os 7 anos de idade, com o monitoramento dos pais. Ele aprova esse tipo de controle. "Isso foi muito bom para a construção do meu caráter porque eu posso me relacionar com as pessoas e, mesmo assim, eu sei os limites que tenho que ter conhecendo essas pessoas na internet".


Posted: 18 Feb 2012 04:11 PM PST




Posted: 18 Feb 2012 04:08 PM PST


Wellton Máximo, Agência Brasil

"O volume de recursos de anos anteriores que poderão reforçar o Orçamento da União, em 2012, corresponde a R$ 85,543 bilhões. Esse é o total de restos a pagar autorizados para este ano. O montante foi divulgado no decreto que detalhou o corte de R$ 55 bilhões no Orçamento Geral da União, publicado ontem (17) em edição extraordinária do Diário Oficial da União.

O volume de restos a pagar não significa que todo esse dinheiro será de fato gasto. Isso porque, dos mais de R$ 80 bilhões, apenas R$ 7,554 bilhões são classificados como processados, ou seja, passaram da fase da liquidação, quando o governo constata que pode liberar o pagamento porque o serviço contratado foi feito ou a compra foi executada. Os R$ 77,988 bilhões restantes ainda estão na fase de empenho, quando o governo apenas emite a autorização para o gasto.

A execução do Orçamento segue três fases: o empenho, a liquidação e o pagamento efetivo. Os restos a pagar correspondem ao volume de recursos empenhados ou liquidados em um ano, mas cujo pagamento fica para o ano seguinte.

Nas últimas décadas, os restos a pagar têm sustentado os investimentos federais. Em 2011, dos R$ 47,5 bilhões investidos, R$ 28,590 bilhões (60,2%) vieram de recursos de anos anteriores. No acumulado do ano, segundo os dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi), os restos a pagar representaram a 98,8% dos R$ 2,81 bilhões investidos de 1º de janeiro até ontem.

Por se tratar de recursos do ano passado, em tese, os restos a pagar não estão submetidos ao corte de R$ 55 bilhões anunciado esta semana. No entanto, o governo também limita o gasto de recursos de anos anteriores, ao cancelar os restos a pagar ou transferi-los para 2013. Originalmente, o valor empenhado ou liquidado pelos ministérios havia sido R$ 140,9 bilhões. Na prática, o corte nos restos a pagar chegou a 39,2%.

No ano passado, os ministérios haviam empenhado ou liquidado R$ 128,681 bilhões para 2011. Desse total, R$ 74,057 bilhões foram efetivamente gastos, valor próximo do limite de R$ 77,142 bilhões autorizado na época."



Posted: 18 Feb 2012 03:49 PM PST


"O redirecionamento, em parte, das orientações neoliberais na economia brasileira associado ao processo de crescimento econômico do País vem provocando nos últimos nove anos modificações na realidade nacional.  

Eduardo Bomfim, Vermelho

Esse crescimento tem possibilitado uma expressiva geração de emprego e renda incorporando dezenas de milhões de brasileiros ao mercado de trabalho criando uma massa salarial que vem dinamizando os diversos segmentos produtivos, impulsionando fortemente o consumo.

Ao mesmo tempo os produtos primários que o Brasil exporta, especialmente os agrícolas, valorizaram-se substancialmente configurando uma permanente fonte de divisas associada à intensificação de parcerias comerciais, com a China por exemplo, que tem ampliado o escoamento da nossa produção.

A alteração da realidade econômica sul-americana que vem se caracterizando por contínuas taxas de crescimento deu impulso à integração continental ensejando mais ainda a liderança regional brasileira.

Tudo isso e um conjunto de outros fatores positivos tem mostrado que o Brasil vem sendo beneficiado por situações especialmente favoráveis nesse novo cenário econômico internacional."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 18 Feb 2012 03:44 PM PST






Posted: 18 Feb 2012 03:35 PM PST


"Não estaremos, é certo, protegidos totalmente contra a corrupção e outros abusos da prática política. Mas estamos, a partir de 1985, com avanços e recuos, nos livrando das oligarquias, e o processo deve continuar. A decisão do STF é talvez o passo mais importante nesse caminho.

Mauro Santayana, Carta Maior

Reconheça-se que a decisão do STF, na aprovação da Lei da Ficha Limpa, tal como ela foi concebida, foi tomada sob a pressão da cidadania. Essa pressão, ao contrário do que pensam os juristas puros, leitores apressados de Kelsen e outros, é sempre legítima - se moderada pela prudência. Quando houver o abuso nas decisões colegiadas de segunda instância, cabe aos tribunais superiores zelar pela proteção dos cidadãos contra as eventuais intrigas e chicanas.

A política é a mais necessária e a mais difícil das atividades humanas. Ela se exerce em todos os atos da vida, porque se trata de contratos cotidianos, de negociações mais difíceis e menos difíceis, sem as quais não seria possível a vida em comum. Esses convênios se dilatam no tempo e em suas dimensões e conseqüências, na construção dos estados e na administração do bem comum. Ao longo da História, houve sempre o conflito entre a astúcia na luta pelo poder e a necessidade de que ele seja exercido por homens honrados. O grande problema é que, na imensa maioria dos casos, os homens honrados se sentem inibidos em reivindicar o poder político. Essa inibição abre espaço aos demagogos e aos aventureiros.

Daí a explicação de Disraeli para a solidez da Inglaterra, em seu tempo. Ali, dizia o Lord de Beaconsfield, aos homens de bem não faltava a audácia, um atributo normal dos canalhas. Não teem faltado, mesmo entre nós, homens de bem ousados, na defesa da República, e, graças a eles, a nação vem sendo construída. Afinal, toda edificação de uma nacionalidade pode ser definida como uma revolução permanente. E como Danton definia as revoluções, para elas il faut d'audace, et encore d'audace, et toujours d'audace."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 18 Feb 2012 03:23 PM PST


Fernando Brito, Tijolaço.com

"A tucanagem paulistana não está em pé de guerra, como algumas notícias de jornal poderiam fazer crer. Gemidos, ranger de dentes, mas logo estarão convivendo com o inevitável, do qual quiseram escapar.

Serra, candidato, será a solução natural da direita.

Não há, entre seus quadros, alguém que a traduza tanto o ódio, o despeito, o inconformismo com o que a elite vê a "gentalha"  que passou a ser importante no Brasil.

O que a candidatura Serra tem a oferecer a São Paulo, além disso? Um ano e alguns meses de "gestão" até que ele vá, como um fantasma que arrasta as correntes de sua maldição, candidatar-se a Presidente, outra vez. Aliás, um curto tempo em que estará mais ocupado em sabotar Aécio do que com a cidade?

Serra só pode oferecer o ódio e por isso sua cabia tentar evitar sua candidatura.

O ódio nunca é revolucionário, embora a raiva estar presente nas revoluções e às revoluções seja um desafio contê-la. Mas o ódio tem um nível de premeditação e egoísmo que só o reacionário alcança, porque quer impedir e não aceitar."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 18 Feb 2012 02:54 PM PST
Cássio Bruno Juliana Castro, O Globo / Extra

"Embora não tenha sido oficializado, o cenário eleitoral para a prefeitura do Rio já está definido. Além de Eduardo Paes, do PMDB, que tenta a reeleição, a disputa terá o deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, e o deputado federal Rodrigo Maia, do DEM. Pelo PSDB, quem concorrerá será o deputado federal Otavio Leite, que venceu a queda de braço no partido com a vereadora Andrea Gouvêa Vieira.

A tucana jogou a toalha depois do parecer do secretário-geral da legenda, Rodrigo de Castro, em favor de Otavio. Apesar de a Executiva Nacional ainda não ter batido o martelo pelo deputado, a vereadora admite ser difícil a cúpula ignorar a conclusão do relatório. Enquanto isso, o PV deve confirmar, após o carnaval, o nome da deputada estadual Aspásia Camargo na disputa. A verde, porém, ainda sofre resistência dentro do partido. Aspásia tem o apoio do ex-deputado federal e cacique Fernando Gabeira para se firmar na indicação.

A missão da oposição de tentar levar a disputa para o segundo turno será árdua. Eduardo Paes tem o apoio da presidente Dilma Rousseff e do governador Sérgio Cabral (PMDB). Sua aliança soma 15 partidos, podendo chegar a 19. A mais recente adesão à tropa de choque do peemedebista foi o PPS, que abriu mão de lançar o deputado federal Stepan Nercessian.

No PSDB, o processo de escolha por Otavio Leite deixou marcas no ninho tucano. Andrea, que não concorrerá à reeleição, disparou contra o parlamentar.

- Ele não é competente, não tem conhecimento para governar a cidade. Será um péssimo candidato - ataca a vereadora, que revela ter simpatia pela candidatura de Freixo.

- Vindo de quem sequer fez a campanha do candidato do partido à Presidência em 2010 não surpreende - rebate Otavio."


Posted: 18 Feb 2012 07:17 AM PST




Posted: 18 Feb 2012 06:43 AM PST


Leonardo Boff, Adital

'Mais e mais cresce a convicção, inclusive entre os economistas seja do stablisment seja da linha neokeynesiana, de que nos acercamos perigosamente dos limites físicos da Terra. Mesmo utilizando novas tecnologias, dificilmente poderemos levar avante o projeto do crescimento sem limites. A Terra não aguenta mais e somos forçados a trocar de rumo.

Economistas como Ladislau Dowbor entre nós, Ignace Sachs, Joan Alier, Herman Daly, Tim Jack e Peter Victor e bem antes Georgescu-Roegen incorporam organicamente o momento ecológico no processo produtivo. Especialmente o inglês T. Jack se celebrizou pelo livro "Prosperidade sem crescimento"(2009) e o canadense P. Victor pelo "Managing sem crescimento"(2008). Ambos mostraram que o aumento da dívida para financiar o consumo privado e público (é o caso atual nos países ricos), exigindo mais energia e uso maior de bens e serviços naturais não é de modo algum sustentável.

Os Prêmios Nobel como P. Krugman e J. Stiglitz, porque não incluem explicitamente em suas análises os limites da Terra, caem na armadilha de propor como saída para a crise atual um maior gasto público no pressuposto de que este produzirá crescimento econômico e maior consumo com os quais se pagarão mais à frente as astronômicas dívidas privadas e públicas. Já dissemos à saciedade, que um planeta finito não suporta um projeto desta natureza que pressupõe a infinitude dos bens e serviços. Esse dado já é assegurado.
O que Jack e Victor propõem é uma "prosperidade sem crescimento".

Nos países desenvolvidos o crescimento atingido já é suficiente para permitir o desabrochar das potencialidades humanas, nos limites possíveis do planeta. Então chega de crescimento. O que se pode pretender é a "prosperidade" que significa mais qualidade de vida, de educação, de saúde, de cultura ecológica, de espiritualidade etc. Essa solução é racional mas pode provocar grande desemprego, problema que eles resolvem mal, apelando para uma renda universal básica e uma diminuição de horas de trabalho. Não haverá nenhuma solução sem um prévio acerto de como vamos nos relacionar com a Terra, amigavelmente, e definir os padrões de consumo para que todos tenham o suficiente e o decente."
Artigo Completo, ::Aqui::


Posted: 18 Feb 2012 06:37 AM PST


Eliano Jorge, Terra Magazine


"Já não são tão habituais quanto num passado recente as denúncias de pessoas negras barradas em blocos do Carnaval de Salvador, cuja maioria da população descende de africanos. Porém, ainda proliferam acusações de racismo na folia. Ataques de machismo também são registrados anualmente. Por isso, atos de discriminação continuam na mira do Observatório da Discriminação Racial, da Violência contra a Mulher e Combate à Homofobia, que realiza sua sétima edição em 2012.


Ligado à Secretaria Municipal da Reparação (Semur), o observatório enumera centenas de agressões gratuitas a gays, assédio violento às mulheres e casos de segregação racial verbal ou institucionalizada.


- Quem é racista o ano todo também é racista no Carnaval; a diferença é que usa fantasia - avalia o secretário municipal da Reparação, Ailton Ferreira, que, em entrevista a Terra Magazine, detalha exemplos das ocorrências de anos anteriores.


Ele critica as músicas pejorativas às mulheres e os "machões" que invadem redutos gays para humilhar as vítimas. Entretanto, não há como esquecer que 58% dos 350 relatos do observatório em 2011 foram caracterizados como racismo.


- Ainda temos uma cultura racista e uma marca de racismo que precisa ser apagada - conclui Ferreira.


Terra Magazine - Como tem sido a atuação do observatório?
Ailton Ferreira -
Ele é um instrumento da democracia. Foi implantado em 2006, com o objetivo de identificar os casos de racismo no Carnaval. Porque entendemos que quem é racista o ano todo também é racista no Carnaval; a diferença é que usa fantasia. A partir de 2007 e 2008, o observatório passou a tratar também da violência contra a mulher. E, em 2010, incorporamos a variável da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis). Atuamos com vários parceiros governamentais e da sociedade civil, movimentos negros e etc., fazendo uma campanha de conscientização sobre nosso papel, sobre o comportamento da sociedade, além da necessidade e do dever de respeitar a diversidade. Fazemos esta prevenção, com panfletos e cartazes, na imprensa, nas redes sociais, contatos com os blocos.
E temos os organismos de segurança pública: a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Delegacia da Mulher, a Defensoria Pública e o Ministério Público. A partir das ocorrências do Carnaval, pode ser gerado um inquérito policial e levar o agressor a cumprir a pena que a lei determina.
Além das unidades fixas, teremos aproximadamente 120 trabalhadores - advogados, assistentes sociais, sociólogos, historiadores. Várias instituições participam. A sociedade fiscaliza e a iniciativa privada ajuda a bancar algumas despesas de divulgação. No ano passado, tivemos 350 ocorrências. Não torcemos para ter mais neste ano. A gente torce para que a sociedade melhore.



E o que dizem estas ocorrências de 2011?
Foram 204 relacionadas com prática de racismo e 91 casos de violência contra a mulher.



Quais são as agressões mais comuns?
Contra mulher, o que mais acontece é soco, pontapé e empurrão. São as mulheres que não deixam ser beijadas à força no circuito. Porque muitos homens querem agarrar e algumas reagem, o cara fica furioso e não gosta. Acha que ela está ali, e ele tem direito de abraçar, agarrar, beijar na boca."
Entrevista Completa, ::Aqui::


Posted: 18 Feb 2012 06:24 AM PST


"Bruno Covas ainda acredita que poderá derrotar o trator José Serra, que se impõe, à força, como o nome do PSDB em São Paulo


O deputado Bruno Covas (PSDB) classificou como boato a eventual candidatura do ex-governador José Serra à prefeitura de São Paulo. De acordo com ele, não há nenhuma definição sobre quem será candidato e as prévias serão mantidas para decidir o nome do partido que disputará a sucessão de Gilberto Kassab (PSD). "Serra é candidato? Isso é história, até agora é um boato", afirmou no camarote da Prefeitura, no sambódromo do Parque Anhembi.

Bruno Covas foi o único dos pré-candidatos do PSDB a comparecer à primeira noite do carnaval paulistano. Preferiu não comentar a legalidade de uma eventual inscrição de Jose Serra, a essa altura, nas prévias do partido. "Se o Serra ou o Fernando Henrique ou qualquer outro quiser concorrer, vamos ver o que acontece, mas nesse momento não existe nada concreto", explicou."
Foto: Ernesto Rodrigues / AE


Posted: 18 Feb 2012 05:20 AM PST
O Globo / Extra

"Com as prévias ameaçadas, os quatro pré-candidatos a prefeito pelo PSDB em São Paulo fizeram nesta sexta-feira um encontro para reafirmar suas postulações. Eles negaram a existência de negociação para que desistam da disputa. A reunião também teve o objetivo de demonstrar a unidade do grupo.

- A tese (sobre a desistência dos tucanos das prévias) é absurda - reagiu o secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, um dos pré-candidatos.

O secretário de Cultura, Andrea Matarazzo, classificou as especulações de ofensivas.

- Não há negociação em torno do meu nome como estão dizendo. É ofensivo para nós que falem isso - afirmou Matarazzo."
Matéria Completa, ::Aqui::


You are subscribed to email updates from Brasil! Brasil!
To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.
Email delivery powered by Google
Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610





--
Francisco Almeida / (91)81003406

Postar um comentário