sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Governo começa campanha contra febre aftosa no arquipélago do Marajó




Da Redação
Agência Pará

Meta é imunizar cerca de 240 mil bovinos e 288 mil bubalinos, de todas as idades. O Marajó concentra a maior população de búfalos do Brasil.
A Agencia de Defesa Agropecuária do Pará, lança nesta sexta-feira (15), a nova etapa de campanha contra a febre aftosa nos 14 municípios que formam o arquipélago do Marajó. O lançamento também acontece no município de Soure em uma solenidade conduzida pelo secretário de estado de agricultura, Cássio Pereira.
De 15 de agosto a 30 de setembro, produtores rurais precisarão estar vacinando o rebanho bovino e bubalino, a comprovação da vacinação é obrigatória e tem que ser feita até 15 de outubro nos escritórios locais da Adepará onde a propriedade rural é cadastrada.
A etapa de vacinação contra febre aftosa no Marajó acontece em datas diferentes de outras regiões do Pará, e se prolonga por 45 dias- devido às condições climáticas adversas existentes, por possui um período chuvoso extenso, muitos rios e dificuldades de acesso, além das condições de criação praticada pelos produtores, que é o sistema de criação extensiva em grandes retiros.
A campanha pretende imunizar contra a doença cerca de 240 mil bovinos e 288 mil bubalinos, de todas as idades. O Marajó concentra a maior população de búfalos do Brasil.
A luta contra a febre aftosa no Estado do Pará encontra-se atualmente em três estágios distintos: A área 1, que está representada por 44 municípios da região Centro-Sul e encontra-se mais avançada nos trabalhos, onde alcançou o "status" de área livre de febre aftosa com vacinação, com reconhecimento internacional no ano de 2007;
em seguida vem a Área 2, representada por 67 municípios da região nordeste paraense e que possui índices satisfatórios de vacinação, classificada atualmente pelo Minério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), como área de médio risco;
e a Área 3, com 32 municípios, ainda classificada como área de alto risco e que necessita ainda da concentração de grande parte dos esforços e um trabalho de mobilização comunitária e imunização do rebanho, durante as etapas de vacinação.
O Arquipélago do Marajó está inserido na Área 3 do Estado do Pará, que ainda possui classificação de alto risco para febre aftosa.
A Adepará realizará vacinações assistidas e fiscalizadas em algumas propriedades do Marajó, que deixaram de vacinar o rebanho na última etapa de vacinação e também em pequenas propriedades de maior dificuldade de acesso.
Parcerias estabelecidas entre o setor produtivo da região e a Agencia de Defesa Agropecuária vão viabilizar a aquisição da vacina pelos produtores que possuem até 200 cabeças, através de um serviço móvel.
Na última etapa de vacinação o Marajó atingiu 90% de cobertura vacinal, "nossa meta é ultrapassar os 95% de cobertura, para poder pleitear junto ao Ministério da Agricultura a elevação do estatus sanitário da região", adiantou Aliomar Arapiraca, diretor geral da Adepará.
O lançamento acontece no auditório da Faepa, na Trav: Doutor Moraes, 21 entre Gov. José Malcher e Avenida Nazaré, as 15h.

Iolanda Lopes- Sagri
Postar um comentário