quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Búfalo marajoara chama atenção do mercado mundial

*
Do Diário do Pará

"Amazonpec encerra com leilão de búfalos

A criação de búfalos no Pará, principalmente na ilha do Marajó, chama atenção no mercado mundial. Além de um sistema produtivo extensivo, o Estado é conhecido pela produção de animais cuja carne possui qualidade diferencial. Prova de que o mercado está de olho no rebanho é o convite feito por uma delegação de bubalinocultores argentinos, que veio especialmente de Buenos Aires para participar das discussões sobre a atividade e convidar os produtores paraenses para o Encontro Mundial de Criadores de Búfalos, a ser realizado na capital argentina, em abril de 2010. A delegação apresentou um vídeo sobre o país e deixou claro o desejo de receber os bubalinocultores do Pará no encontro.

O Pará é considerado um dos principais representantes na criação de búfalo. O rebanho de bubalinos do Brasil é composto por cerca de três milhões de animais, sendo que cerca de 50% desse rebanho está presente na região Norte do país, em sua maioria na Ilha do Marajó, com aproximadamente um milhão e meio de cabeças.

Na manhã desta quinta-feira, técnicos e produtores participaram de uma mesa-redonda para discutir estratégias de promoção do produto no mercado mundial. De acordo com a engenheira agrônoma da Embrapa Natália Barbosa, que será a representante dos bubalinocultores paraenses no congresso, esse trabalho de divulgação deve levar em consideração os benefícios do búfalo para a saúde. “Tanto o leite quanto a carne do búfalo possuem mais substâncias anticancerígenas (fator ômega) que os mesmos produtos derivados do boi, além de diminuir o colesterol e conter mais proteínas”, destaca.

Ainda de acordo com a engenheira agrônoma, outro ponto que deve ser trabalhado é a imagem do animal, que é quase sempre associada à selvageria, quando na verdade, o búfalo já foi apontado como um dos animais domésticos mais dóceis que existem hoje no mundo, segundo pesquisas da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). “Em 2009, nós já demos um passo importante nesse sentido: houve uma divulgação grande da bubalinocultura nas novelas da Globo. Nós chegamos a pedir para a autora da novela ‘Caminho das Índias’ que essa divulgação fosse feita porque sabíamos que isso ajudaria a popularizar o animal e que a Índia possui o maior rebanho bubalino do mundo. A autora acabou abrindo as portas para que esse trabalho fosse feito na novela das seis, que é de tema rural. Já apareceram cenas que informam sobre as vantagens do leite, do queijo outros produtos derivados do búfalo”, conta a engenheira agrônoma.

Pelo caráter dócil, a Associação dos Criadores de Búfalos propõe que o animal seja criado por pequenos produtores e que sejam elaboradas políticas públicas de incentivo à inserção do búfalo em programas de produção familiar. “Como ele é um grande produtor de leite, a sua criação pode gerar emprego e renda para muitas famílias. Acreditamos que um criador, com um plantel de 20 fêmeas e um macho, consiga ter um rendimento de dois salários por mês, só com a venda do leite”, afirma Roberto Ferreira, presidente da entidade.

Para o criador de búfalos João Gaspar, do Rio Grande do Sul, a organização do encontro foi eficiente e corajosa ao propor uma dinâmica de discussão em que produtores e técnicos ficam frente à frente. “Diferente do que acontece tradicionalmente em encontros e congressos, esse evento acertou em cheio ao colocar criadores e técnicos na mesma mesa para interagir com a platéia. Isso só tende a ajudar e tornar mais dinâmica a discussão dos erros e acertos na produção de carne e leite”, pontua João.

Como parte da programação, alunos e pesquisadores do curso de Tecnologia Agroindustrial com habilitação em alimentos, da Universidade do Estado do Pará (Uepa) fizeram uma análise da qualidade do leite bubalino. Para isso, foi instalado exclusivamente para o evento, um laboratório no Parque de Exposição do entroncamento, para a realização da coleta do produto e análise do material.

Para o professor do curso de Tecnologia Agroindustrial da Uepa, Marcos Eger, o encontro nacional de bubalinocultores, que ocorre dentro do Amazonpec, é importante para inserir o conhecimento científico desenvolvido pela instituição. "O encontro proporcionou à universidade estar inserida na construção do projeto para a criação de um laboratório setorial de leite de búfala. Além disso, é uma grande oportunidade de mostrar à sociedade o que estamos desenvolvendo no setor produtivo agropecuário", explicou.

No último dia do encontro de bubalinocultores, domingo, 27, será feita uma visita a uma fazenda de criação de búfalos, no município de Vigia.

ENCERRAMENTO - O encerramento do Amazonpec será marcado por um Leilão de Animais, ao que deve envolver cerca de 200 animais no Parque de Exposições do Entroncamento, onde ocorre a 43ª Feira Agropecuária do Pará – Expopará. No local, já estão expostos mais de 500 animais, além de produtos e inovações de mercado voltados para o setor do agronegócio. O leilão “Diamante Negro” será realizado neste sábado, 26, ao meio dia."
Postar um comentário